PERFIL OFTALMOLÓGICO DE CRIANÇAS NASCIDAS PRÉ TERMO
PDF

Palavras-chave

Recém-Nascido Prematuro
Fenômenos Fisiológicos Oculares
Saúde Ocular
Estrabismo
Anormalidades do Olho

Como Citar

1.
de Freitas Machado AC, Castro Verçosa IM. PERFIL OFTALMOLÓGICO DE CRIANÇAS NASCIDAS PRÉ TERMO. Cadernos ESP [Internet]. 27º de julho de 2021 [citado 7º de dezembro de 2021];15(1):37-43. Disponível em: //cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/530

Resumo

Objetivo: Relatar os achados oftalmológicos de crianças prematuras. Métodos: Estudo observacional, descritivo, retrospectivo e transversal de crianças prematuras nascidas no Hospital Geral de Fortaleza e atendidas no ambulatório de oftalmopediatria deste serviço no período de julho a dezembro de 2017. Resultados: Foram avaliadas 30 crianças de 4 a 18 meses, com idade gestacional de nascimento entre 26s e 36semanas e 6 dias. Vinte e uma crianças (66,7%) apresentaram avaliação oftalmológica adequada para idade. Estrabismo foi a principal alteração oftalmológica, encontrado em 5 (16,67%) crianças. O erro refrativo mais comum foi hipermetropia e astigmatismo. Conclusão: A maioria das crianças avaliadas apresentaram exame oftalmológico adequado para idade. Mais estudos são necessários para validar a hipótese da prematuridade isoladamente não ser fator de risco para doenças oftalmológicas. É necessário conscientização sobre a importância da primeira avaliação oftalmológica completa entre 6 meses e 1 ano de vida para todas as crianças.

PDF

Referências

Ministério da Saúde. DATASUS. [Internet]. Acesso em: 05 de maio de 2019. Disponível em: http://svs.aids.gov.br/dantps/centrais-de-conteudos/painel-de-monitoramento/natalidade/nascidos-vivos/?s=MSQyMDE4JDEkMSQzNSQ3NiQxJDEkMCQ2MDAwJDAkMCQ1JDEkMCQwJDAkMCQwJDckMCQwJDAkMCQwJDAkMCQw
2. Matijasevich A, Silveira Mf, Matos Acg, Rabello Nd, Fernandes Rm, Maranhão Ag, Et Al. Estimativas corrigidas da prevalência de nascimentos pré-termo no Brasil, 2000 a 2011. Epidemiol Serv Saúde [Internet]. 2013 dez [acesso em 2017 set 21];22(4):557-64. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742013000400002.
3. Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Seguimento ambulatorial do prematuro de risco. Sociedade Brasileira de Pediatria. São Paulo; 2012 [acesso em 2017 jun 11]. Disponível em: http://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/pdfs/seguimento_prematuro_ok.pdf.
4. Brasil. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Coordenação Geral de Saúde da Criança e Aleitamento. Nota técnica 11, de 16 de junho de 2015. Diretrizes para prevenção da Retinopatia da Prematuridade. Brasília: Secretaria de Atenção à Saúde; 2015. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2015/julho/23/NOTA-- ECNICARETINOPATIA-DA-PREMATURIDADE.pdf.
5. Brito Pr, Veitzman S. Causas de cegueira e baixa visão em crianças. Arq Bras Oftalmol 2000;63(1):49-54.
6. Braddick O, Atkinson J. Development of human visual function. Vision Res. 2011;51(13):1588-609.
7. Larsson E, Martin L, Holmström G. Peripheral and central visual fields in 11-year-old children who had been born prematurely and at term. J Pediatr Ophthalmol Strabismus. 2004;41(1):39-45
8. Bicas HE. Physiology of binocular vision. Arq Bras Oftalmol. 2004; 67(1):172-80.
9. Graziano Rm, Leone Cr.[PDF] Problemas oftalmológicos mais freqüentes e desenvolvimento visual do pré-termo extremo. J. Pediat (Rio J). 2005;81(1, supl):S95-S100
10. Berezovsky A, Salomão Sr. A visão da criança: quando, quanto e como enxerga? In: Nakanami CR, Zin A, Belfort Junior R. Oftalmopediatria. São Paulo: Roca; 2010. p. 39-47
11. Gilbert C, Foster A. Childhood blindness in the context of VISION 2020 — the right to sight. Bull World Health Organ. 2001;79(3):227- 32.
12. Rocha MN. Análise das condições de saúde ocular em população atendida no Centro de Referencia em Oftalmologia do Hospital das Clínicas/UFG[dissertação]. Goiânia: Universidade Federal de Goiás; 201
13. Cruz, A. A. V., & Salomão, S. R (1998). Acuidade visual. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 50, 9-26.
14. 10 Holmström G, el Azazi M, Kugelberg U. Ophthalmological follow up of preterm infants: a population based, prospective study of visual acuity and strabismus. Br J Ophthalmol. 1999;83(2):143-50.
15. Holmström G, Rydberg A, Larsson E. Prevalence and development of strabismus in 10-year-old premature children: a population-based study. J PediatrOphthalmol Strabismus. 2006;43(6):346-52
16. Sallum Juliana M. Ferraz. Malformações oculares mais frequentes. Arq. Bras. Oftalmol. [Internet]. 1995 Oct [cited 2021 Apr 21] ; 58( 5 ): 389-394. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004 27491995000500389&lng=en. https://doi.org/10.5935/0004-2749.19950049