ATUAÇÃO DE FONOAUDIÓLOGAS RESIDENTES NO CONTEXTO DA PANDEMIA DE COVID-19
PDF

Palavras-chave

Fonoaudiologia
Residência Hospitalar
COVID-19

Categorias

Como Citar

1.
Matos Pirote Rodrigues C, Nascimento de Almeida M, Santos Monteiro WM, Sousa Costa L. ATUAÇÃO DE FONOAUDIÓLOGAS RESIDENTES NO CONTEXTO DA PANDEMIA DE COVID-19. Cadernos ESP [Internet]. 27º de julho de 2021 [citado 7º de dezembro de 2021];15(1):68-73. Disponível em: //cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/545

Resumo

Objetivo: Descrever as experiências de fonoaudiólogas residentes no contexto da pandemia da COVID-19. Métodos: Trata-se de uma pesquisa descritiva, exploratória de abordagem qualitativa, do tipo relato de experiência, realizada no Hospital Geral de Fortaleza, no Ceará, durante os meses de maio de 2020 a março de 2021. Resultados:   A atuação das fonoaudiólogas residentes no contexto pandêmico da Covid-19 se baseou em avaliações e terapias referentes a disfagia, disartria, disfonia, apraxia e afasia. Entretanto, a prioridade de avaliação fonoaudiológica se deu em torno da avaliação da deglutição que sofreu adaptações para que não gerassem aerossóis no ambiente, reduzindo os riscos de contaminação. Considerações finais: O relato de experiência dos atendimentos fonoaudiológicos realizados no período de pandemia da Covid-19 contribuiu para demonstrar a realidade da vivência do âmbito hospitalar, bem como a sua importância para as adaptações na comunicação e deglutição dos pacientes acometidos por doenças neurológicas.

Descritores: Fonoaudiologia; Residência hospitalar; COVID-19

 

PDF

Referências

1. Girão MMF, Coelho PN, Barroso SB, Gadelha VMS. Perfil Epidemiológico dos Pacientes de SARS-COV-2 no Brasil/Epidemiological Profile of SARS-COV-2 Patients in Brazil. [Internet]. Revista de Psicologia, 2020; 14, (51):646-658. Disponível em: https://idonline.emnuvens.com.br/id/article/view/2605
2. Fernández R. Lara, Cabrera S. Natalia, Fernández O. Diego, Olcese T. Lorena. Disfagia en tiempos de COVID-19. Rev. Otorrinolaringol. Cir. Cabeza Cuello [Internet]. 2020; 80(3): 385-394. DOI: http://dx.doi.org/10.4067/S0718-48162020000300385.
3. Porto AC, et al. Atuação fonoaudiológica em pacientes COVID-19: Revisão integrativa. Cadernos ESP [Internet]. 2020;14 (1):38-44. Disponível em: https://cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/305/210
4. Padovani AR, Moraes DP, Sassi FC, Andrade CRF. Avaliação clínica da deglutição em unidade de terapia intensiva. CoDAS [Internet]. 2013; 25( 1 ): 1-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S2317-17822013000100002.
5. Padovani AR, Moraes DP, Mangili LD, Andrade CRF. Protocolo fonoaudiológico de avaliação do risco para disfagia (PARD). Rev. soc. bras. fonoaudiol. [Internet]. 2007; 12(3): 199-205. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-80342007000300007.
6. Padovani AR, Medeiros GC, Andrade CRF. Protocolo fonoaudiológico de introdução e transição da alimentação por via oral (PITA). In: Andrade CRF, Limongi SCO (Org). Disfagia: prática baseada em evidências. São Paulo: Sarvier; 2012; p. 74-85.
7. Pérez-Cruz E, et al . Evaluación de la disfagia en pacientes con enfermedades neurológicas y su relación con riesgo de desnutrición. Med. interna Méx. [Internet]. 2018; 34(3): 359-365. DOI: https://doi.org/10.24245/mim.v34i3.1815.
8. Hernández JJ, Rodríguez DLM, Gómez PMC, Sánchez GFMF. Factores pronóstico de la disfagia luego de an ataque cerebrovascular: una revisión y búsqueda sistemática. Rev. Cienc. Salud [Internet]. 2017;15( 1 ): 7-21. DOI: https://doi.org/10.12804/revistas.urosario.edu.co/revsalud7a.5371.
9. Prestes D, et al. Relação entre o risco de disfagia e o estado de saúde de indivíduos com a doença pulmonar obstrutiva crônica. CoDAS [Internet]. 2020; 32(4). DOI: https://doi.org/10.1590/2317-1782/20202019036.
10. Moraes DP, Spezzaano LC. Programa fonoaudiológico de reabilitação da deglutição em enfermaria. In: Andrade CRF, Limongi SCO (Org). Disfagia: prática baseada em evidências. São Paulo: Sarvier; 2012; p. 105-111.