SISTEMAS DE VIGILÂNCIA E NOTIFICAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA MULHER

Conteúdo do artigo principal

Suzana Oliveira Couto
Lucilia Maria Nunes Falcão

Resumo

Este artigo teve como objetivo realizar uma análise comparativa dos registros de notificações de violência contra mulheres das Vigilância em Saúde e Vigilância Socioassistencial no município de Jijoca de Jericoacoara, Ceará, Brasil, em 2018. Os bancos de dados utilizados foram o Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (VIVA/SINAN), e o Mapa de Risco Pessoal e Social de Jijoca de Jericoacoara. Para caracterizar os casos de violência contra mulheres adotou-se a classificação de tipos de violência da ficha de notificação do VIVA/SINAN. Foram descritas as características epidemiológicas dos casos notificados, avaliadas similaridades e divergências e cálculo do percentual de variação entre os dois bancos de dados. A maioria dos registros de notificações de violência contra mulheres estava presente, com diferença de 2.020% entre o total de notificações de violência, resultando em cenários epidemiológicos bastante distintos retratados pelas duas fontes. Conclui-se que, apesar da Lei Federal nº 10.778 de 2003 estabelecer em âmbito nacional, a notificação compulsória em serviços de saúde, os registros de notificações realizados pela Vigilância em Saúde mostraram-se insuficientes para caracterizar a real situação da problemática da violência contra mulher.

Detalhes do artigo

Como Citar
1.
Oliveira Couto S, Nunes Falcão LM. SISTEMAS DE VIGILÂNCIA E NOTIFICAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA MULHER. Cadernos ESP [Internet]. 3º de março de 2022 [citado 28º de maio de 2022];16(1):27-34. Disponível em: //cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/550
Seção
Artigos Originais
Biografia do Autor

Lucilia Maria Nunes Falcão, Fundação Regional de Saúde – FUNSAÚDE

nfermeira, Doutoranda em Educação pela Universidade de Lisboa (2016 -), Mestrado em Epidemiologia - London School of Hygiene and Tropical Medicine - Universidade de Londres (1995) e graduação em Enfermagem pela Universidade Estadual do Ceará (1987). Experiência na área de Educação, com ênfase em Educação para as Profissões da Saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: Metodologias ativas de aprendizagem, Currículo e Formação de Professores. Coordenadora de Pesquisa da Residência Integrada de Saúde -RIS, da Escola de Saúde Pública do Ceará (ESP-CE). Enfermeira da Prefeitura Municipal de Fortaleza com experiência em saúde perinatal/materno infantil e educação permanente. Atua na docência em Saúde Coletiva, Epidemiologia, Enfermagem Perinatal/Saúde da Mulher e Gestão de Serviços de Saúde.

Referências

1. Ribeiro CG, Coutinho MPL. Representações Sociais de Mulheres Vítimas de Violência Doméstica na Cidade de João Pessoa-PB. Rev Psicol e Saúde [Internet]. 2011 [acesso em 05 ago 2020];52–9. Disponível em: http://www.gpec.ucdb.br/pssa/index.php/pssa/article/download/81/142
2. Faria N, Moreno R, Vitória C e Coelho Sônia. Feminismo e autonomia das mulheres: caminhos para o enfrentamento à violência. In:______. Sem culpa nem desculpa! Mulheres livres da violência. São Paulo (SP): SOF - Sempreviva Organização Feminista; 2018. p. 31 – 40.
3. Ribeiro M de FT, de Macedo BÍ, Marques da NL, D’Ávila LBS. Violência Intrafamiliar e Comunitária Contra Mulheres: Um Problema De Saúde Pública. Rev Interdiscip em saúde. 2020;7(Único):1215–29.
4. Martinelli T, Silva MB, Santos SR dos. Vigilância socioassistencial na política de assistência social: concepção e operacionalidade. Florianópolis (SC): Rev Katálysis [Internet]. 2015;[acesso 20 set 2020] 18(1):104–12. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-49802015000100104&lng=en&nrm=iso>. ISSN 1982-0259.
5. Brasil. IBGE. Panorama Cidades: Jijoca de Jericoacoara: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; [acesso em 05 set 2020]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ce/jijoca-de-jericoacoara/panorama.
6. Cerqueira D, Lima RS De, Silva ERA, Pimentel A, Marques D. 2010-Atlas-Da-Violencia-2020. 2020;1–96.
7. Costa A da S. O tráfico de mulheres: o caso do tráfico interno de mulheres para fins de exploração sexual no estado do Ceará [tese]. Fortaleza (CE); 2008. Disponível em: http://dominiopublico.mec.gov.br/download/teste/arqs/cp069397.pdf.
8. Egry EY, Apostólico MR, Albuquerque LM, Gessner R, da Fonseca RMGS. Compreendendo a negligência infantil na perspectiva de gênero: estudo em um município brasileiro. Rev da Esc Enferm. 2015;49(4):555–62.
9. Coelho FA de F, Barcelos SC, Nascimeno PC do, Cavalcante JNF, Silva FAM da S, Silva FP da. Perfil Epdemiológico de Mulheres em Situação de Violência de Gênero no Estado do Ceará, 2008 a 2017. Fortaleza (CE): Cadernos ESP [Internet]; 2019, jan. jun. [acesso 22 mar 2021]; 13(1): 37-46. Disponível em: https://cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/167.

10. Andrade PM de. O Que Se Faz Quando Há Violência? A Política de Assistência Social no Combate a Violência Intrafamiliar [tese]. Brasília (DF); 2019.
11. Engel CL. A violência contra a mulher. Brasília (DF): Ministério da Economia; 2015. [acesso 05 out 2020];28. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/retrato/pdf/190215_tema_d_a_violenca_contra_mulher.pdf
12. Kind L, Orsini M de LP, Nepomuceno V, Gonçalves L, Souza GA de, Ferreira MFF. Subnotificação e (in)visibilidade da violência contra mulheres na atenção primária à saúde. Cad Saude Publica [Internet]. 2013;[acessso em 20 ago 2020] 29(9):1805–15. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24068226
13. Minayo MC de S. A inclusão da violência na agenda da saúde: trajetória histórica. Rio de Janeiro (RJ): Ciênc. saúde coletiva, v. 11 supl;. 2006.
14. Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Assistência Social. Política Nacional de Assistência Social. Brasília (DF): Secretaria Nacional de Assistência Social. [acessado 2020 dez 01]. Disponível em: http://www.mds.gov.br.