POTENCIALIDADES DO MATRICIAMENTO EM SAÚDE MENTAL REVISÃO NARRATIVA

Conteúdo do artigo principal

Tales Coelho Sampaio
Emylio César Santos da Silva

Resumo

Refletir sobre a potencialidade do matriciamento (apoio matricial) na atuação e no desenvolvimento de profissionais da saúde da Atenção Primária à Saúde do SUS. Trata-se de uma revisão de literatura narrativa que identificou em bases de dados eletrônicas, publicações dos últimos cinco anos, a partir dos descritores: Atenção Primária à Saúde; Saúde Mental; Estratégia Saúde da Família; Sistema Único de Saúde. Observou-se que a ferramenta do matriciamento, quando estruturado, oferece uma rede colaborativa que produz o cuidado compartilhado no mais amplo sentido da integralidade, sendo via de acesso ao cuidado ao sofrimento dos usuários do SUS e formação pedagógica continuada e permanente aos profissionais da saúde. O matriciamento é essencial para atuação do profissional da atenção primária no cuidado em saúde mental, além de favorecer uma maior articulação da rede de serviços.

Detalhes do artigo

Como Citar
1.
Coelho Sampaio T, Santos da Silva EC. POTENCIALIDADES DO MATRICIAMENTO EM SAÚDE MENTAL: REVISÃO NARRATIVA. Cadernos ESP [Internet]. 30º de setembro de 2022 [citado 9º de dezembro de 2022];16(3):62-74. Disponível em: //cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/737
Seção
Artigos de Revisão
Biografia do Autor

Emylio César Santos da Silva, Escola de Saúde Pública do Ceará. Fortaleza, Ceará, Brasil.

Doutor em Psicologia Social. Escola de Saúde Pública do Ceará. Fortaleza, Ceará, Brasil.

Referências

Gilbert L.OMS alerta que 10% da população global tem distúrbio de saúde mental [Internet]. Brasília: Empresa Brasil de Comunicação; 2015[citado em 2021-10-30]. Disponível em: https://memoria.ebc.com.br/noticias/saude/2015/07/oms-alerta-que-10-da-populacao-global-tem-disturbio-de-saude-mental.

Fagundes GS, Campos MR, Lima SLC. Matriciamento em Saúde Mental: análise do cuidado às pessoas em sofrimento psíquico na Atenção Básica. Ciênc. Saúde Coletiva. 2021; 26(6):2311-232.

Organização Mundial da Saúde (OMS), Organização Pan-americana da Saúde (OPAS). Relatório sobre a saúde no mundo 2001: saúde mental: nova concepção, nova esperança [Internet]. Genebra: OMS/OPAS; 2001 [citado em 2021-10-30]. Disponível em: https://www.who.int/whr/2001/en/whr01_po.pdf.

Organização Mundial de Saúde (OMS), Organização Panamericana de Saúde (OPAS). Transtornos Mentais: principais fatos [Internet]. Genebra:OMS/OPAS [citado em 2021-10-31]. Disponível em: https://www.paho.org/pt/topicos/transtornos-mentais.

Iglesias A, Avellar LZ. Matriciamento em Saúde Mental: práticas e concepções trazidas por equipes de referência, matriciadores e gestores. Ciênc. Saúde Coletiva [online].2019[citado 2021-10-31];24(4). DOI: 10.1590/1413-81232018244.05362017.

World Health Organization (WHO), Department of Mental Health and Substance Abuse. Mental Health Gap Action Programme: scaling up care for mental, neurological, and substance use disorders. Genebra: WHO Press; 2008.

Organização Mundial da Saúde (OMS); Organização Mundial de Médicos de Família. Integração da saúde mental nos cuidados de saúde primários: uma perspectiva global [Internet]. Genebra: WHO Press; 2008[citado em 2021-10-30]. Disponível em: https://www.who.int/eportuguese/publications/Integracao_saude_mental_cuidados_primarios.pdf.

Ministério da Saúde (BR). Portaria Nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, 2011; dez 26.

Freitas RM. Matriciamento em Saúde Mental e a formação de psiquiatras na Atenção Primária à Saúde. [Dissertação de Mestrado]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará; 2020.

Ministério da Saúde (BR). Portaria Nº 3.588, de 21 de dezembro de 2017. Altera as Portarias de Consolidação no 3 e nº 6, de 28 de setembro de 2017, para dispor sobre a Rede de Atenção Psicossocial, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 2017. Disponível: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt3588_22_12_2017.html.

Pereira AA, Costa AN, Megale RF. Saúde Mental para médicos que atuam na Estratégia Saúde da Família: uma contribuição sobre o processo de formação em serviço. Rev. Bras. Educ. Med. 2012; 36(2): 269-279.

Pagno M. Ministério da Saúde investe mais de R$ 65 milhões na ampliação da rede de saúde mental [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2020 [citado 2021-10-30]. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/noticias/ministerio-da-saude-investe-mais-de-r-65-milhoes-na-ampliacao-da-rede-de-saude-mental.

Fortes S, Villano L, Lopes C. Nosological profile and prevalence of common mental disorders of patients seen at the Family Health Program (FHP) units in Petropolis, Rio de Janeiro. Braz J Psychiatry. 2008; 30(1):32-37.

Andrade L, Walters E, Gentil V, Laurenti R. Prevalence of ICD-10 mental disorders in a catchment area in the city of São Paulo, Brazil. Soc. Psychiatry Psychiatr Epidemiol. 2002; 37(7):316-25.

Salgado MA, Fortes SLCL. Indicadores de saúde mental na atenção primária à saúde: avaliando a qualidade do acesso através da capacidade de detecção de casos. Cad. Saúde Pública [online].2021 [citado 2021-10-30];37(9):1-11. Disponível em: http://cadernos.ensp.fiocruz.br/csp/artigo/1513/indicadores-de-saude-mental-na-atencao-primaria-a-saude-avaliando-a-qualidade-do-acesso-atraves-da-capacidade-de-deteccao-de-casos#C13.

World Health Organization (WHO). Mental health action plan 2013-2020. Genebra: WHO Press; 2013.

Hock RS, Or F, Kolappa K, Burkey MD, Surkan PJ, Eaton WW. A new resolution for global mental health. Lancet. 2012; 379(9824):1367-1368.

Figueiredo EM, Demarzo MMP. Atenção Primária à Saúde e Política Nacional de Atenção Básica.São Paulo:UNASUS; 2015.

Starfield, B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde; 2002.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção em Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual do instrumento de avaliação da atenção primária à saúde: primary care assessment tool pcatool. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Tavares ALB. Matriciamento em Saúde Mental: um novo cenário de prática para a Psiquiatria Contemporânea. [Monografia] Fortaleza: Universidade Federal do Ceará; 2016.

Chiaverini DH, Gonçalves DA, Balleester D, Tófoli LF, Chazan LF, Almeida CN et al. Guia prático de matriciamento em saúde mental. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Campos, GWS. Equipes de referência e apoio especializado matricial: um ensaio sobre a reorganização do trabalho em saúde. Ciênc. Saúde coletiva [online].1999[citado 2021 -10-30];4(2):393-403. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81231999000200013&lng=en&nrm=iso.

Figueiredo MD, Campos RO. Saúde mental na atenção básica à saúde de Campinas, SP: uma rede ou um emaranhado. Ciênc. Saúde Coletiva. 2009;14(1):129-138.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de atenção à saúde. Saúde mental e atenção básica: o vínculo e o diálogo necessários: inclusão das ações de saúde mental na atenção básica [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2003. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/diretrizes.pdf.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, DAPE, Coordenação Geral de Saúde Mental. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. Brasília: OPAS;2005.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Saúde mental. Cadernos de Atenção Básica, n. 34. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Fundação Oswaldo Cruz. Saúde da Família perde Modelo do NASF [Internet].Rio de Janeiro: Radis Comunicação e Saúde; 2020 [citado 2020-03-01].Disponível em: https://radis.ensp.fiocruz.br/index.php/home/noticias/saude-da-familia-perde-modelo-do-nasf.

Campos GWS, Domitti AC. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cad. Saúde pública. 2007;23(2):399-407.

World Health Organization (WHO). Mental health atlas 2017 [Internet]. Genebra: World Health Organization; 2018 [citado 2021-10-30]. Disponível em: https://www.who.int/publications/i/item/9789241514019.

Tenório F. A reforma psiquiátrica brasileira, da década de 1980 aos dias atuais: história e conceito. Hist. Ciênc. Saúde-Manguinhos. 2002;9(1):25-59.

Ministério da Saúde (BR). Ministério da Saúde divulga resultados preliminares de pesquisa sobre saúde mental na pandemia [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde. 2020 [citado 2021-10-30]. Disponível em: https://antigo.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/47527-ministerio-da-saude-divulga-resultados-preliminares-de-pesquisa-sobre-saude-mental-na-pandemia.

Pimenta, T. Teste de depressão, ansiedade e estresse: DASS-21 revela que 86% dos respondentes têm algum transtorno mental [Internet]. Vittude. 2019 [citado 2021-10-30]. Disponível em: https://www.vittude.com/blog/teste-de-depressao/.

World Health Organization (WHO). Depression and Other Common Mental Disorders: Global Health Estimates. Genebra: World Health Organization; 2017 [citado 2021-10-30]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/254610/WHO-MSD-MER-2017.2-eng.pdf;jsessionid=F04CB0611AAC8AE43B9A446E1DA685F9?sequence=1.

Dimenstein M, Simoni ACR, Macedo JP, Nogueira N, Barbosa BCNS, Silva BIBM et al. Equidade e acesso aos cuidados em saúde mental em três estados nordestinos. Ciênc. Saúde Coletiva. 2021;26(5):1727-1738.

Meleiro AMAS, Danila AH, Humes EC, Baldassin SP, Silva AG, Oliva-Costa EF. Adoecimento mental dos médicos na pandemia do COVID-19. Debates em Psiquiatria [online]. 2021 [citado 2021-10-31]; 11:1-20. Disponível em: https://revistardp.org.br/revista/article/view/57.

Araújo TRG, Gonçalves DA. Cuidados colaborativos e compartilhados: o matriciamento na gestão do cuidado em Atenção Primária à Saúde. São Paulo: UNASUS; 2015 [citado 2021-10-30].Disponível em:https://www.unasus.unifesp.br/biblioteca_virtual/esf/15/Unidade5/PDF/m05_04-GestaoCuidados_ESF15.pdf

Tatmatsu DB, Araújo ACC. Atenção primária e saúde mental: contribuições e potencialidades do apoio matricial. Mudanças. 2016;24(2): 71-79.

Gusso G, Ceratti JMC, Dias LC. Tratado de medicina de família e comunidade: princípios, formação e prática. 2. ed. Porto Alegre: Artmed; 2019.