TRATAMENTO HOMEOPÁTICO COMO ABORDAGEM PARA DIABETES E HIPERTENSÃO

Conteúdo do artigo principal

Isabel Cristina Moura Brandão
Evaldo Eufrásio Vasconcelos
Emílio Carlos Furlani
Ana Fabrina Bezerra Barros

Resumo

Este artigo objetiva apresentar a experiência de um município cearense quanto ao tratamento homeopático, como nova abordagem para casos de diabetes e hipertensão, com vistas à redução no impacto dos indicadores municipal das doenças e melhoria da qualidade de vida dos usuários. Foi conduzido com a utilização do critério de inclusão: morar na área da equipe, ser hipertenso e/ou diabético; e para critério de exclusão: desinteresse em fazer o tratamento homeopático. Resultou na equipe de Caiçara uma população com o menor percentual de diabéticos e hipertensos do município. No período final desta prática (agosto a novembro de 2021), identificou-se 4,44% desta população com diabetes e 7,91% com hipertensão, além de ser a que menos utiliza medicamentos para essas patologias. Conclui-se que nessa população foi possível observar evidentes vantagens no tratamento, melhores resultados nos indicadores de saúde, como também redução no consumo de medicamentos convencionais para tratamento de diabetes e hipertensão.

Detalhes do artigo

Como Citar
1.
Moura Brandão IC, Vasconcelos EE, Furlani EC, Barros AFB. TRATAMENTO HOMEOPÁTICO COMO ABORDAGEM PARA DIABETES E HIPERTENSÃO. Cadernos ESP [Internet]. 30º de setembro de 2022 [citado 9º de dezembro de 2022];16(3):142-7. Disponível em: //cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/970
Seção
Sessão Especial Políticas Públicas - Programa Cuidar Melhor
Biografia do Autor

Evaldo Eufrásio Vasconcelos, Secretaria de Saúde de Cruz. Cruz, Ceará, Brasil.

Enfermeiro, graduado pela Universidade Estadual Vale do Acaraú 1998, Mestre em Saúde da Família - UVA/RENASF ( 2014), Especialização em Saúde da Família - UFC( 2011), Especialização em Saúde Pública - UVA (2004), Especialização em Formação Profissional na área da Saúde: Enfermagem pela ENSP-FIOCRUZ (2004), Especialização em Saúde da Família - UNIFAP (2003). Experiência em Saúde Coletiva, Ensino, Gestão de Serviço Público de Saúde, Assistência Hospitalar e Vigilância em Saúde. Atualmente Secretário Municipal de Saúde de Cruz-Ce.

Emílio Carlos Furlani, Secretaria de Saúde de Cruz. Cruz, Ceará, Brasil.

Médico de Saúde da Família do Posto de Saúde de Caiçara - Especialista em Homeopatia   

Ana Fabrina Bezerra Barros, Secretaria de Saúde de Cruz. Cruz, Ceará, Brasil.

Enfermeira Gerente do Posto de Saúde de Caiçara

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Práticas Integrativas e Complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica. Brasília: Ministério da saúde, 2012. [acesso em 13 de jun de 2022]. Disponível em:

https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/praticas_integrativas_complementares_plantas_medicinais_cab31.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas

Integrativas e Complementares no SUS: atitude de ampliação de acesso. Brasília: Ministério da saúde, 2015. [acesso em 13 de jun de 2022]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_praticas_integrativas_complementares_2ed.pdf

Teixeira MZ. Homeopatia: ciência, filosofia e arte de curar. Rev Med (São Paulo) [online] . 2006 abr.- jun.;85(2):30-43. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revistadc/article/view/59211/62227

Oliveira FRA, Pinto GF, Nicacio RAR, Mattos M, Santos DAS, Olinda Ra, et.al,. Fatores associados ao uso de práticas integrativas e complementares por hipertensos e diabéticos. Rev O Mundo da Saúde. 2021; 45: 463-470. DOI: 10.15343/0104-7809.202145463470

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. VIGITEL BRASIL – 2019: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico - estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2019. Brasília, Distrito Federal, 2020. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigitel_brasil_2019_vigilancia_fatores_risco.pdf Acessado em: 21 de junho de 2022

Oliveira CF, Arruda GMMS, Melo ALA, Barcelos SC. Cuidado interprofissional aos portadores de Hipertensão e Diabetes em um grupo de intervenção educacional e terapêutica . Cadernos ESP [online]. 4 de outubro de 2019 [citado 2022-06-14];10(2):33-45. Disponível em: https://cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/105

Leme PAF, Campos GWS. Avaliação participativa de um programa de prevenção e tratamento de Doenças Crônicas Não Transmissíveis. Saúde em Debate. 2020: 44, 126:640-655. DOI: 10.1590/0103-1104202012604.

Dacal MPO, Silva IS. Impactos das práticas integrativas e complementares na saúde de pacientes crônicos. Saúde Debate. 2018; 42(118): 724-735. DOI: 10.1590/0103-1104201811815