LIMITAÇÃO PARA DEAMBULAÇÃO NA COINFECÇÃO HIV/TOXOPLASMOSE CEREBRAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.54620/cadesp.v17i1.1162

Palavras-chave:

HIV, Toxoplasmose Cerebral, Limitação da Mobilidade

Resumo

Analisar os fatores associados à limitação para deambulação na alta hospitalar em pessoas que vivem HIV/AIDS diagnosticadas com toxoplasmose cerebral. Pesquisa transversal e quantitativa, realizada a partir da análise de 88 prontuários de pacientes hospitalizados com toxoplasmose cerebral e HIV nos anos de 2018 e 2019. Sendo coletado informações referentes aos dados sociodemográficos, clínicos e relato de dificuldade para deambular no momento da alta. A estatística foi realizada por meio de análise inferencial. A maior parte dos participantes eram homens, divorciados, empregados, residentes em Fortaleza-Ceará e com moradia própria, com idade média entre 37,63 ± 9,32 anos. Os fatores que estiveram associados estatisticamente à limitação para deambulação na alta foi o tempo de internação, atendimento fisioterapêutico e uso de ventilação mecânica. Neste estudo os fatores associados a limitação para deambulação na alta hospitalar foram o tempo de internação prolongado, atendimento fisioterapêutico e uso de ventilação mecânica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andressa Nascimento Matos da Silva, Escola de Saúde Pública do Ceará. Fortaleza, CE - Brasil.

Fisioterapeuta; Residência Multiprofissional com ênfase em infectologia pela Escola de Saúde Pública do Ceará.

Artur Paiva dos Santos Sánchez, Universidade Federal do Ceará. Fortaleza, CE – Brasil.

Fisioterapeuta; Mestre em Saúde Pública com ênfase em epidemiologia pela Universidade Federal do Ceará; Especialista em gestão por MBA em gestão de organizações em negócios em saúde.

Thalyta Gleyane Silva de Carvalho, Universidade Federal do Ceará. Fortaleza, CE – Brasil.

Fisioterapeuta pela Universidade Leão Sampaio/UNILEÃO. Pós-Graduada em Fisioterapia Traumato Ortopédica pelo Centro Universitário São Camilo-ES. Residente em Saúde da Família e Comunidade pela Escola de Saúde Pública do Ceará/ESP-CE. Pós-graduada em Preceptoria no SUS pelo Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa. Doutoranda (2020-atual) e Mestre em Saúde Pública pelo Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública, da Faculdade de Medicina, da Universidade Federal do Ceará: área de concentração em Ciências Sociais, Humanas, Ambientais e Políticas de Saúde, linha de pesquisa em Vigilância dos Agravos à Saúde relacionados ao Trabalho e ao Ambiente. Monitora da disciplina Anatomia Funcional do curso de Fisioterapia durante a graduação. Possui experiência no serviço de saúde atuando principalmente nos campos da Saúde da Família e Comunidade, Atenção Primária em Saúde, Saúde Coletiva, Saúde do Trabalhador, Reabilitação Neurológica, Reabilitação Traumato Ortopédica, Terapia Manual.

Marina Carvalho Arruda Barreto, Universidade Federal do Ceará. Fortaleza, CE – Brasil.

Fisioterapeuta graduada pela Universidade Federal do Ceará (2017); Mestra em Saúde Pública pela Universidade Federal do Ceará; Doutoranda em Saúde Pública pela Universidade Federal do Ceará. Pesquisadora com atuação nos seguintes temas: Dor crônica musculoesquelética, Funcionalidade, Dor lombar, Covid19 e Chikungunya.

Referências

Ministério da Saúde. O que é HIV | Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis [Internet]. 2020 [cited 2020 Aug 16]. Available from: http://www.aids.gov.br/pt-br/publico-geral/o-que-e-hiv

UNAIDS. Informações básicas - UNAIDS Brasil [Internet]. [cited 2020 Aug 16]. Available from: https://unaids.org.br/informacoes-basicas/

Nobre AQTC, Costa I da S, Bernardes KO. A Fisioterapia no contexto do HIV/AIDS. PTM [Internet]. 1º de setembro de 2017 [citado em 19 de agosto de 2022];21(4). Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/fisio/article/view/19193

de Oliveira GB, da Silva MAL, Wanderley LB, da Cunha Correia C, Ferreira ECB, de Medeiros ZM, et al. Cerebral toxoplasmosis in patients with acquired immune deficiency syndrome in the neurological emergency department of a tertiary hospital. Clinical Neurology and Neurosurgery. 2016 [cited 2020 Aug 16]; 150:23–6. DOI: 10.1016/j.clineuro.2016.08.014 DOI: https://doi.org/10.1016/j.clineuro.2016.08.014

AIDSinfo. Guidelines for the Prevention and Treatment of Opportunistic Infections in Adults and Adolescents with HIV How to Cite the Adult and Adolescent Opportunistic Infection Guidelines: Panel on Opportunistic Infections in Adults and Adolescents with HIV. Guidelines for the prevention and treatment of opportunistic infections in adults and adolescents [Internet]. 2018 [cited 2021 Mar 13]. Available from: http://aidsinfo.nih.gov/contentfiles/lvguidelines/adult_oi.pdf.Accessed

Basavaraju A. Toxoplasmosis in HIV infection: An overview. Tropical Parasitology [Internet]. Medknow Publications; 2016 [cited 2021 Mar 13]. p. 129–35. Available from: 10.4103/2229-5070.190817 DOI: https://doi.org/10.4103/2229-5070.190817

Banja D, Tsukamoto H, Silva L, Carmago N. Análise da Funcionalidade da Qualidade de Vida de Pacientes com Sequelas Neurológicas. Rev Saúde e Pesqui [Internet]. 2012;5(1):49–57. Available from: http://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/saudpesq/article/view/2175

Costa CBM, Araujo CMRS, Nogueira EM, Oliveira TP, Dias CS. Funcionalidade de usuários com doenças neurológicas crônico-degenerativas. Rev CIF Bras. 2021;13(1):84–93. DOI: https://doi.org/10.4322/CIFBRASIL.2021.010 DOI: https://doi.org/10.4322/CIFBRASIL.2021.010

Santos AP, Braide ASG, Silva PGB, Mendes IC, Viana MCC, Caldas JMP. Fatores associados à qualidade de vida de pessoas com HIV/AIDS. Cadernos ESP [Internet]. 2019 [citado 19 de agosto de 2022]; 13(1):27-36. Disponível em: https://cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/166

Richert L, Brault M, Mercié P, Dauchy FA, Bruyand M, Greib C, et al. Decline in locomotor functions over time in HIV-infected patients. Aids. 2014 [cited 2020 Aug 16]; 28(10):1441–9. DOI: 10.1097/QAD.0000000000000246 DOI: https://doi.org/10.1097/QAD.0000000000000246

Araujo IR, Ferreira ACG, Vento DA, Guimarães VA. Déficits motores e preditores de perda de mobilidade ao final da internação em indivíduos com neurotoxoplasmose. Fisioterapia e Pesquisa. 2019 [citado 19 de agosto de 2022]; 26(4):360–5. DOI: https://doi.org/10.1590/1809-2950/18017926042019 DOI: https://doi.org/10.1590/1809-2950/18017926042019

Le LT, Spudich SS. HIV-Associated Neurologic Disorders and Central Nervous System Opportunistic Infections in HIV. Seminars in Neurology. 2016 [cited 2020 Aug 16]; 36(4):373–81. DOI: 10.1055/s-0036-1585454 DOI: https://doi.org/10.1055/s-0036-1585454

Boletim Epidemiológico Especial - HIV/Aids 2021 — Português (Brasil) [Internet]. [cited 2022 Aug 19]. Available from: https://www.gov.br/saude/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/boletins/epidemiologicos/especiais/2021/boletim-epidemiologico-especial-hiv-aids-2021.pdf/view

Ministério da Saúde. Manual técnico para diagnóstico da infecção pelo HIV em adultos e crianças. 2018 [cited 2022 Aug 19]; Available from: https://www.gov.br/aids/en/node/57787

Ramos SM, Vaceli JV de S, Cavenaghi OM, Mello JRC, Brito MVC de, Fernandes MJ, et al. Associação entre funcionalidade e tempo de permanência de pacientes críticos em UTI. Fisioterapia Brasil. 2021[citado 19 de agosto de 2022]; 22(2):120–31. DOI: https://doi.org/10.33233/fb.v22i2.3896 DOI: https://doi.org/10.33233/fb.v22i2.3896

RESOLUÇÃO No 466, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012. O Plenário do Conselho Nacional de Saúde em sua 240a Reunião Ordinária, real [Internet]. [cited 2022 Aug 19]. Available from: https://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:zgAmxFWaHkoJ:https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf+&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br&client=firefox-b-d

Patman SM, Dennis DM, Hill K. Exploring the capacity to ambulate after a period of prolonged mechanical ventilation. Journal of Critical Care. 2012 [cited 2020 Aug 16]; 27(6):542–8. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jcrc.2011.12.020 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jcrc.2011.12.020

Ferreira ACG, Araujo IR, Vento DA, Guimarães VA. Preditores de piora da mobilidade ao final da internação em hospital de referência em doenças infectocontagiosas. Fisioterapia e Pesquisa. 2021 [citado 19 de agosto de 2022]; 28(1):70–6.DOI: https://doi.org/10.1590/1809-2950/20021528012021 DOI: https://doi.org/10.1590/1809-2950/20021528012021

Amorim TB do, Santana EP, Santos KOB. Symptomatic profile of infected individuals with HIV/AIDS in a physiotherapy department. Fisioter Mov [Internet]. 2017 [cited 2020 Aug 16]; 30(1):107–14. Available from: https://doi.org/10.1590/1980-5918.030.001.AO11 DOI: https://doi.org/10.1590/1980-5918.030.001.ao11

Kinirons SA, Do S. The acute care physical therapy HIV/AIDS patient population: A descriptive study. J Int Assoc Provid AIDS Care. 2015 [cited 2020 Aug 16]; 14(1):53–63. DOI: https://doi.org/10.1177/2325957413476552 DOI: https://doi.org/10.1177/2325957413476552

Myezwa H, Stewart A, Musenge E, Nesara P. Assessment of HIV-positive in-patients using the International Classification of Functioning, Disability and Health (ICF) at Chris Hani Baragwanath Hospital, Johannesburg. African Journal of AIDS Research. 2009 [cited 2020 Aug 16]; 8(1):93–105. DOI: https://doi.org/10.2989/AJAR.2009.8.1.10.723 DOI: https://doi.org/10.2989/AJAR.2009.8.1.10.723

Downloads

Publicado

09-08-2023

Como Citar

1.
Nascimento Matos da Silva A, Paiva dos Santos Sánchez A, Gleyane Silva de Carvalho T, Carvalho Arruda Barreto M. LIMITAÇÃO PARA DEAMBULAÇÃO NA COINFECÇÃO HIV/TOXOPLASMOSE CEREBRAL. Cadernos ESP [Internet]. 9º de agosto de 2023 [citado 24º de abril de 2024];17(1):e1162. Disponível em: https://cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/1162
Received 2022-09-01
Accepted 2022-12-08
Published 2023-08-09