PANORAMA DO TELEDIAGNÓSTICO NO BRASIL NO PERÍODO DE 2016 À PRIMEIRA ONDA DA PANDEMIA DE COVID-19

Autores

  • Felipe José Jandre Reis Instituto Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ - Brasil.
  • Clarissa de Castro Brasil Pinheiro Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ - Brasil.
  • Pâmela Martin Bandeira Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ - Brasil.
  • Lívia Gaspar Fernandes Universidade da Cidade de São Paulo. São Paulo, SP - Brasil.
  • Bruno Tirotti Saragiotto Universidade da Cidade de São Paulo. São Paulo, SP - Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.54620/cadesp.v17i1.1396

Palavras-chave:

Políticas de eSaúde, Telemedicina, COVID-19

Resumo

A telemedicina, incluindo o telediagnóstico, deve ser reconhecida como alternativa para superar as barreiras geográficas, proporcionar ao paciente acesso a cuidados de saúde e garantir a continuidade do seu acompanhamento. O objetivo desse estudo foi quantificar os registros em telediagnósticos de 2016 à primeira onda da pandemia de COVID-19 no Brasil. Este estudo é uma análise secundária de dados do Ministério da Saúde do Brasil. Os principais desfechos foram: número total de telediagnósticos realizados, o tempo médio para notificação do telediagnóstico; a distribuição dos estados e municípios com maior número de telediagnóstico e as especialidades de saúde que mais realizaram telediagnóstico. Foram identificados 4.010.087 telediagnósticos com distribuição irregular (59,5% em Minas Gerais, 29,4% em Santa Catarina, 3,3% no Ceará e 2,2% na Bahia). No início dos casos de COVID no Brasil, houve redução no telediagnóstico sendo 12% em fevereiro, 41% em março, 81% em abril, 80% em maio e 76% em junho. O Brasil apresentou uma distribuição irregular dos telediagnósticos nos diferentes estados. Durante a primeira onda da pandemia de COVID-19, observou-se uma redução significativa no número de telediagnósticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

World Health Organization. Telemedicine: opportunities and developments in member states. Report on the second global survey on eHealth. World Health Organization; 2010.

Wen CL. Telemedicina e Telessaúde – Um panorama no Brasil. Informatica Pública. 2008;10(2):07–15.

Santos WS, de Sousa Júnior JH, Soares JC, Raasch M. Reflexões acerca do uso da telemedicina no Brasil: oportunidade ou ameaça? Revista de Gestão em Sistemas de Saúde. 2020;9(3):433–53. DOI: https://doi.org/10.5585/rgss.v9i3.17514

Anderson RM, Heesterbeek H, Klinkenberg D, Hollingsworth TD. How will country-based mitigation measures influence the course of the COVID-19 epidemic? The lancet. 2020;395(10228):931–4. DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)30567-5

Fioratti I, Reis FJJ, Fernandes LG, Saragiotto BT, Fioratti I, Reis FJJ, et al. The COVID-19 pandemic and the regulations of remote attendance in Brazil: new opportunities for people dealing with chronic pain. Brazilian Journal Of Pain. 2020;3(2):193–4. DOI: https://doi.org/10.5935/2595-0118.20200039

Augusto Filho RF, Campelo CM. FERRAMENTAS DE TELESSAÚDE NO COMBATE À COVID-19 NO CEARÁ. Cadernos ESP. 2022;16(2):107–13. DOI: https://doi.org/10.54620/cadesp.v16i2.714

Sousa AR, Rodrigues IP, Silva PRC, de Silva Rodrigues T, Melo TAS. ISOLADOS E ASSISTIDOS: TELESSAÚDE POR UMA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL: ISOLATED AND ASSISTED: TELEHEALTH BY A MULTIPROFESSIONAL TEAM. Cadernos ESP. 2020;14(1):109–13.

Fioratti I, Reis FJJ, Fernandes LG, Saragiotto BT. A pandemia de COVID-19 e a regulamentação do atendimento remoto no Brasil: novas oportunidades às pessoas com dor crônica. BrJP. 2020;3(2):193–4.

Caetano R, Silva AB, Guedes ACCM, de Paiva CCN, da Rocha Ribeiro G, Santos DL, et al. Challenges and opportunities for telehealth during the COVID-19 pandemic: Ideas on spaces and initiatives in the Brazilian context. Cadernos de Saude Publica. 2020;36(5):1–16. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00088920

Fioratti I, Fernandes LG, Reis FJ, Saragiotto BT. Strategies for a safe and assertive telerehabilitation practice. Brazilian journal of physical therapy. 2021;25(2):113. DOI: https://doi.org/10.1016/j.bjpt.2020.07.009

Fernandes LG, Saragiotto BT. To what extent can telerehabilitation help patients in low-and middle-income countries? 2020. DOI: https://doi.org/10.1016/j.bjpt.2020.11.004

Scott Kruse C, Karem P, Shifflett K, Vegi L, Ravi K, Brooks M. Evaluating barriers to adopting telemedicine worldwide: A systematic review. Journal of telemedicine and telecare. 2018;24(1):4–12. DOI: https://doi.org/10.1177/1357633X16674087

Fernandes LG, Devan H, Fioratti I, Kamper SJ, Williams CM, Saragiotto BT. At my own space, pace and place: a systematic review of qualitative studies of enablers and barriers to telehealth interventions for people with chronic pain. PAIN. 2021; DOI: https://doi.org/10.1097/j.pain.0000000000002364

Jaffe DH, Lee L, Huynh S, Haskell TP. Health Inequalities in the Use of Telehealth in the United States in the Lens of COVID-19. Population health management. 2020;23(5):368–77. DOI: https://doi.org/10.1089/pop.2020.0186

Fisk M, Livingstone A, Pit SW. Telehealth in the context of COVID-19: Changing perspectives in Australia, the United Kingdom, and the United States. Journal of Medical Internet Research. 2020;22(6). DOI: https://doi.org/10.2196/19264

Giovanella L, Escorel S, Mendonça MHM de. Porta de entrada pela atenção básica? Integração do PSF à rede de serviços de saúde. Saúde debate. 2003;27(65):278–89.

Downloads

Publicado

10-08-2023

Como Citar

1.
Jandre Reis FJ, de Castro Brasil Pinheiro C, Martin Bandeira P, Gaspar Fernandes L, Tirotti Saragiotto B. PANORAMA DO TELEDIAGNÓSTICO NO BRASIL NO PERÍODO DE 2016 À PRIMEIRA ONDA DA PANDEMIA DE COVID-19. Cadernos ESP [Internet]. 10º de agosto de 2023 [citado 22º de fevereiro de 2024];17(1):e1396. Disponível em: https://cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/1396
Received 2022-10-22
Accepted 2023-04-04
Published 2023-08-10