PERFIL DOS CASOS DE TUBERCULOSE ENTRE A POPULAÇÃO PRIVADA DE LIBERDADE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.54620/cadesp.v17i1.1413

Palavras-chave:

Prisões, Tuberculose, HIV

Resumo

Descrever o perfil dos casos de tuberculose entre a população privada de liberdade dos presídios brasileiros, no período de 2014 a 2018, compreendendo fatores regionais e clínicos. Realizou-se um estudo ecológico, com a análise da tendência da prevalência da tuberculose na população prisional, considerando o recorte temporal de 2014 a 2018. Os dados foram obtidos no Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Observou-se um panorama preocupante da tuberculose entre a população privada de liberdade no contexto brasileiro, juntamente com a alta prevalência de HIV/aids e consumo de álcool e outras drogas, comorbidades que afetam o diagnóstico e tratamento da tuberculose, bem como a existência de lacunas no controle e acompanhamento da doença. Fazem-se necessárias ações educativas permanentes de prevenção de doenças, proteção e promoção de sua saúde, para que minimizem os riscos potenciais de adoecimentos por tuberculose nos presídios brasileiros.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabel Cristina Gonçalves Leite, Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora, MG - Brasil.

Possui graduação em Odontologia pela Universidade Federal de Juiz de Fora (1993), mestrado em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública (1997) e doutorado em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública (2002). Atualmente é professora titular da Universidade Federal de Juiz de Fora. Orientadora dos programas de pós graduação stricto sensu em Saúde e Saúde Coletiva (2007- ) e Mestrado Profissional em Saúde da Família (UFJF/ABRASCO) (2017- 2022).

Lílian do Nascimento, Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora, MG - Brasil.

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva - UFJF. Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal de Juiz de Fora/FACENF- UFJF (2013). Graduada em Enfermagem pela Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF (2008). Atualmente é professora efetiva do Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais - Campus São João del-Rei, desde 2016, onde também atuou como responsável pelo Setor de Relações Comunitárias e membro do Setor de Fomento à Extensão, setores vinculados a Direção de Pesquisa e Extensão e membro do Comitê em Defesa da Vida de SJDR.

Luiza Ferreira Vieira, Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora, MG - Brasil.

Graduação (Bacharel e Licenciatura) em Enfermagem pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2015). Especialização em Cuidados Intensivos adulto e neonatal pela Faculdade Redentor (2016). Especialização em Saúde Pública com ênfase em Saúde da Família pelo Centro Universitário Internacional (2017). Mestrado em Enfermagem pela Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora (2017). Doutoranda em Saúde Coletiva pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora (2021 em andamento). Membro do Grupo de Pesquisa - O Cotidiano do Cuidar em Saúde e em Enfermagem.

Girlene Alves da Silva, Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora, MG - Brasil.

Professora Titular da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de ForaPossui Graduação Em Enfermagem pela Universidade Federal do Piauí (1992), mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1997) e doutorado em Enfermagem pela Universidade de São Paulo (2003). Fez estágio doutoral no Laboratoire de Psycologie Sociale da École des Hautes Études en Sciences Sociales-Paris-França em 2001 e Pós-Doutorado no Instituto de Medicina Social (IMS/UERJ) em 2009. Desenvolve suas atividades no Curso de Graduação em Enfermagem e no Programa de Pós-Graduação : Mestrado em Enfermagem e no Doutorado e Mestrado em Saúde Coletiva.Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem em Doenças Infecciosas e Parasitárias.

Referências

BRASIL. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Programa Nacional de Controle da Tuberculose. Tratamento Diretamente Observado da Tuberculose na Atenção Básica: Protocolo de Enfermagem. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de Recomendações para o Controle da Tuberculose no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2019.

BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Lei Orgânica da Saúde. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, set. 1990.

World Health Organization. [Internet]. Prisons and Health. WHO.Regional Office for Europe, Copenhagen; 2014 [cited 2015 Jan 10]. Available from: http://www.euro.who.int/en/home. Acesso em 10 de maio de 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP). Resolução nº 466/12. Dispõe sobre a pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2012.

Stop TB Partnership. Choosing an active case finding intervention. In: Improving tuberculosis case detection: a compendium of TB REACH case studies, lessons learnt and a monitoring and evaluation framework [Internet]. Geneva: Stop TB Partnership; 2014 [cited 2020 Jan 13]. Available from: http://www.stoptb.org/assets/documents/resources/publications/technical/TB_Case_Studies.pdf. Acesso em 15 de abril de 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Cuidado integral às pessoas que vivem com HIV pela Atenção Básica manual para a equipe multiprofissional. Brasília, 2017. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cuidado_integral_hiv_manual_multiprofissional.pdf. Acesso em 28 de setembro de 2020.

Barros Coelho A, Arguelo Biberg C. Perfil epidemiológico da coinfecção Tuberculose/HIV no município de São Luís, Maranhão, Brasil. Cadernos ESP [Internet]. 4º de outubro de 2019 [citado 3º de novembro de 2022];9(1):19-26. Disponível em: //cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/88

Izabel Lopes M, Kessiene de Sousa Cavalcante K, Maria Santiago Borges S. Descrição do Perfil Epidemiológico da Tuberculose no Estado do Ceará, 2011 a 2016. Cadernos ESP [Internet]. 4º de outubro de 2019 [citado 3º de novembro de 2022];11(2):18-25. Disponível em: //cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/116

RABAHI M. F.;JUNIOR. J.L.R.S; FERREIRA, A.C.G.; TANNUS-SILVA, D.G.G.S, CONDE, M.B. Tratamento da tuberculose. J Bras Pneumol. 2017;43(5):472-486. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/jbpneu/v43n6/pt_1806-3713-jbpneu-43-06-00472.pdf. Acesso em 20 de junho de 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/s1806-37562016000000388

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. Tuberculose. Número Especial. Mar. 2020. Disponível em: https://www.saude.gov.br/images/pdf/2020/marco/24/Boletim-tuberculose-2020-marcas--1-.pdf>. Acesso em 20 de maio de 2020.

Publicado

11-08-2023

Como Citar

1.
de Nazaré Pereira Chagas D, Cristina Gonçalves Leite I, do Nascimento L, Ferreira Vieira L, Alves da Silva G. PERFIL DOS CASOS DE TUBERCULOSE ENTRE A POPULAÇÃO PRIVADA DE LIBERDADE. Cadernos ESP [Internet]. 11º de agosto de 2023 [citado 24º de abril de 2024];17(1):e1413. Disponível em: https://cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/1413
Received 2022-11-04
Accepted 2023-06-13
Published 2023-08-11