PERFIL DE SAÚDE DE PACIENTES DO SERVIÇO DE NUTRIÇÃO EM RONDONÓPOLIS-MT

Autores

DOI:

https://doi.org/10.54620/cadesp.v17i1.1537

Palavras-chave:

Assistência Ambulatorial, Comorbidade, COVID-19, Doenças crônicas não Transmissíveis, Estado Nutricional

Resumo

O objetivo foi caracterizar as condições de saúde dos pacientes acometidos por doenças crônicas não transmissíveis e atendidos no Ambulatório de Nutrição da rede municipal de saúde. Estudo transversal a partir da análise de 729 prontuários eletrônicos de pacientes, de maio a setembro de 2019 e 2020. Analisou-se sexo, idade, cor, data da primeira consulta, número de agendamentos de consultas, período, faltas em consulta, peso e altura, pressão arterial diastólica e sistólica, glicemia em jejum, perfil lipídico e comorbidades. Resultados apontam para pacientes adultos (65,5%) e do sexo feminino (74%) com parâmetros bioquímicos normais, exceto colesterol total e glicemia de jejum. Excesso de peso mais prevalente entre os adultos e redução do IMC entre a primeira e última consultas. A maioria apresentou de duas a quatro comorbidades. Menor número de atendimentos e mais faltas em 2020. Esse estudo fornece subsídios para otimizar e implementar adequações no serviço, a fim de responder de forma mais apropriada às necessidades de saúde da população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Porto TNRS, Cardoso CLR, Baldoino LS, Martins VS, Alcântara SML, Carvalho DP. Prevalência do Excesso de Peso e Fatores de Risco para a Obesidade em Adultos. REASEJACH. 2019;22:1-11. DOI: https://doi.org/10.25248/reas.e308.2019

Souza EB. Transição Nutricional no Brasil: análise dos principais fatores. Cadernos UniFOA. 2017;5(13):49-53. DOI: https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v5.n13.1025

World Health Organization. Noncommunicable diseases - Progress Monitor. Geneva: World Health Organization, 2022. 225 p.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com Doença Crônica. Cadernos de Atenção Básica. Ministério da Saúde, 2014. 162 p.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias Para o Cuidado da Pessoa com Doença Crônica: obesidade. Cadernos de Atenção Básica. Ministério da Saúde. 2014. 214 p.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias Para o Cuidado da Pessoa com Doença Crônica: Diabetes Mellitus. Cadernos de Atenção Básica. Ministério da Saúde. 2013. 160 p.

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. Vigitel Brasil 2019: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2019. Ministério da Saúde; 2020.

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico Especial 58: doença pelo coronavírus COVID-19. Ministério da Saúde. 2021.

Silva NCA, Carneiro PS, Moroço DM. O impacto da pandemia de COVID-19 no atendimento eletivo: experiência de um hospital de nível terciário e Centro de Referência para a doença. Rev Qualidade HC. 2021;2:70-80.

World Health Organization (WHO). Physical status: the use and interpretation of anthropometry: report of a WHO Expert Committee. World Health, 1995.

Lipschitz DA. Screening for nutritional status in the elderly. Primary Care. 1994;21( 1):55-67. DOI: https://doi.org/10.1016/S0095-4543(21)00452-8

Pereira VFGB, Mendes RSO, Dias PP, Coimbra LMPL. Perfil de pacientes atendidos no Ambulatório de Nutrição de uma Clínica Escola em uma universidade particular de São Luís –MA. Rev Cereus. 2021;13(1):127-37. DOI: https://doi.org/10.18605/2175-7275/cereus.v13n1p127-137

Barroso WKS, Rodrigues CIS, Bortolotto LA, Mota-Gomes MA, Brandão AA, Feitosa ADM, et al. Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial – 2020. Arq Bras Cardiol. 2021;116(3):516-658. DOI: https://doi.org/10.36660/abc.20201238

Iser BPM, Pinheiro PC, Malta DC, Duncan BD, Schmidt MI. Prevalência de pré-diabetes e hiperglicemia intermediária em adultos e fatores associados, Pesquisa Nacional de Saúde. Ciên Saúde Col. 2021;26(2):531-40. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232021262.34852020

Faludi AA, Izar MCO, Saraiva JFK, Chacra APM, Bianco HT, Neto AA, et al. Atualização da Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose – 2017. Arq Bras Cardiol. 2017;109(2):1-76. DOI: https://doi.org/10.5935/abc.20170121

Ribeiro JD, Schauren BC. Relação entre parâmetros antropométricos, bioquimicos e estilo de vida de indivíduos atendidos em um ambulatório de saúde. Uningá Journal. 2021;58:1-11. DOI: https://doi.org/10.46311/2318-0579.58.eUJ3091

Scortegagna SA, Pichler NA, Bettinelli, Migot AMB. O cuidado na multidimensionalidade do envelhecimento humano. Passo Fundo: Méritos, 2015. 59-74p.

Brasil. Portaria nº 1.565, de 18 de junho de 2020. Estabelece orientações gerais visando à prevenção, ao controle e à mitigação da transmissão da COVID-19, e à promoção da saúde física e mental da população brasileira, de forma a contribuir com as ações para a retomada segura das atividades e o convívio social seguro. Brasilia: DOU, 2020.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica. Pesquisa de orçamentos familiares 2017-2018: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil/IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. Rio de Janeiro: IBGE, 2019.

Jesus KCR, Pinho CPS, Arruda IKG, Diniz AS, Rodrigues IG. Impacto da restrição calórica no perfil metabólico e parâmetros antropométricos com excesso de peso. RBONE. 2020;43(3):355-62.

Valença SEO, Brito ADM, Dilva DCG, Ferreira FG, Novaes JF, Longo GZ. Prevalência de dislipidemias e consumo alimentar: um estudo de base populacional. Ciên Saúde Col. 2021;26(11):5765-76. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320212611.28022020

Caetano VC, Alvim BF, Silva BEC, Ribeiro RS, Neves FS, Luquetti SCPD. Consumo de alimentos processados e ultraprocessados em indivíduos adultos com excesso de peso. HU Revista. 2017;43(4):355-62. DOI: https://doi.org/10.34019/1982-8047.2017.v43.2861

Lima JS, Bezerra LA, Gomes RMOP, et al. Correlação entre indicadores antropométricos de obesidade e níveis pressóricos. BJHR. 2021;4(4):14725-35. DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n4-030

Corrêa MM, Facchini LA, Thumé E, Oliveira ERA, Tomasi E. Habilidade da razão cintura-estatura na identificação de risco à saúde. Rev Saúde Pública. 2019;53-66. DOI: https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2019053000895

Sociedade Brasileira de Diabetes-SBD. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes: 2019-2020. São Paulo: Clannad, 2019.

Monteiro MCC, Pantoja RE de L, Miranda AL de A, Couceiro F de AV, Magalhães LW, Cruvinel MMC, et al. Impacts of the COVID-19 pandemic on the diagnosis, care and mortality of oncological patients in Brazil: a literature review. Res Soc Develop. 2021;10(13):350101321235. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i13.21235

Farias MLF, Giovanella L, Oliveira AE, Neto ETS. Tempo de espera e absenteísmo na atenção especializada: um desafio para os sistemas universais de saúde. Saúde Debate. 2019;43(5):190-204. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042019s516

Normando PG, Araujo-Filho JA, Fonseca GA, Rodrigues REF, Oliveira VA, Hajjar LA, et al. Redução na hospitalização e aumento na mortalidade por doenças cardiovasculares durante a pandemia da COVID-19 no Brasil. Arq Bras Cardiol. 2021;116(3):371-80. DOI: https://doi.org/10.36660/abc.20200821

Beltrame SM, Oliveira AE, Santos MAB, Neto TS. Absenteísmo de usuários como fator de desperdício: desafios para sustentabilidade em sistema universal de saúde. Saúde Debate. 2019;43(123):1015-30. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-1104201912303

Baptista SCPD, Juliani CMCM, Lima SGS, Martin LB, Silva KAB, Cirne MR. O absenteísmo dos pacientes em consultas ambulatoriais: revisão integrativa de literatura. Rev Esc Enferm USP. 2021;55:1-9. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-220x-reeusp-2020-0380

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas e Agravos não Transmissíveis no Brasil 2021-2030. Brasília: Ministério da Saúde, 2021. 118 p.

Downloads

Publicado

21-09-2023

Como Citar

1.
Rosa Salvador da Cunha J, Grassi Prado B, Neves Casarotti S. PERFIL DE SAÚDE DE PACIENTES DO SERVIÇO DE NUTRIÇÃO EM RONDONÓPOLIS-MT. Cadernos ESP [Internet]. 21º de setembro de 2023 [citado 22º de fevereiro de 2024];17(1):e1537. Disponível em: https://cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/1537
Received 2023-02-16
Accepted 2023-09-04
Published 2023-09-21