TERAPIA DE ALTO FLUXO VERSUS VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO-INVASIVA EM PÓS-OPERATÓRIO DE CIRURGIA CARDÍACA PEDIÁTRICA
PDF

Palavras-chave

Fisioterapia
Unidades de Terapia Intensiva
Procedimentos Cirúrgicos Cardiovasculares
ventilação Não Invasiva
oxigenoterapia

Como Citar

1.
De Sousa Lima M, Geisyani Francisca Gomes Prudente, Natália Lima Barbosa, Danielle Carvalho Fonseca Falanga. TERAPIA DE ALTO FLUXO VERSUS VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO-INVASIVA EM PÓS-OPERATÓRIO DE CIRURGIA CARDÍACA PEDIÁTRICA. Cadernos ESP [Internet]. 21º de maio de 2021 [citado 25º de junho de 2021];15(1):99-109. Disponível em: //cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/504

Resumo

O artigo tem como objetivo investigar as principais diferenças entre a terapia de alto fluxo e a ventilação não invasiva no pós-operatório de cirurgias cardíacas pediátricas. A pesquisa foi realizada nas bases de dados eletrônicas BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE (BVS) - SciELO, LILACS e MEDLINE, através das seguintes palavras-chave: Cirurgias Cardíacas, Ventilação Não Invasiva e Oxigenoterapia, publicados no ano de 2010 a 2020. Um total de 54 estudos possivelmente relevante foram encontrados, 24 selecionados para análise detalhada e somente 7 foram incluídos na revisão. Os artigos foram organizados da seguinte forma: Autor/ ano, tipo de estudo, amostra, objetivo e resultado para uma melhor compreensão. O presente estudo mostra que a ventilação não invasiva é utilizada principalmente em dois níveis pressóricos, melhora a capacidade ventilatória, diminuindo os níveis dióxido de carbono, enquanto que a terapia de alto fluxo aumenta os níveis de oxigênio. A terapia de alto fluxo comparada a ventilação não invasiva, não permite regular e mensurar a quantidade de pressão positiva gerada nas vias aéreas.

PDF

Referências

1. Pinto Jr VC, Franga MNO, Freitas SM, Croti UA. Regionalização da cirurgia cardiovascular pediátrica brasileira. Rev Bras Cir Cardiovasc. 2013. June;28(2):256-262.
2. Santos CF. Protocolo de implantação de vídeo-eletroencefalograma contínuo nas unidades de terapia intensiva do Hospital Infantil Albert Sabin / Carolina de Figueiredo Santos; 2019.
3. Oliveira FJ, Menezes LST, Caetano JA, Silva VM, Oliveira MLB, Machado JJA. Avaliação das práticas de adesão à higienização das mãos relacionadas com linhas vasculares em uma Unidade de Terapia Intensiva. Vigilância Sanitária em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia. 2015;3(4).
4. ATENDIMENTO PEDIÁTRICO NA UNIMED FORTALEZA: CONHEÇA A ESTRUTURA.UnimedFortaleza;2020.Disponívelem:https://www.unimedfortaleza.com.br/blog/plano-saude/unidades-de-atendimento-pediatrico-unimed-fortaleza.
5. Rolim DS. A ventilação não invasiva como uma opção de suporte ventilatório para pacientes pediátricos em pós-operatório de cirurgia cardíaca com insuficiência respiratória. [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo;2018.
6. Júnior OPC, Pinto JM. Quando a vida começa diferente: cuidado postural no cotidiano da equipe multiprofissional em terapia intensiva pediátrica. Atlas de saúde colet. 2016. Dez;10(4):83-100.
7. Santana SA, Oliveira ECC, Mello MCR et al. Benefícios e comparação na atuação do cateter nasal e da ventilação não invasiva em pediatria: uma revisão sistemática. rev. eletrônica acervo saúde. 2020;1(43).
8. Shokouhi M, Basiri B, Sabzehei MK, Mahdiankhoo M, Pirdehghan A. Efficacy and complications of humidified high-flow nasal cannula versus nasal continuous positive airway pressure in neonates with respiratory distress syndrome after surfactant therapy. Iran Red Crescent Med;2019. 21(2).
9. Monteiro DAS, Forti FS, Suassuna VAL. Atuação da fisioterapia pré e pós-operatória nas complicações respiratórias em pacientes com cardiopatias congênitas. rev. Fisioterapia Brasil. 2018;19(3):385-99.
10. Rosa CN, Rolim R, Almeida TRA, Carr AMG. Uso da oxigenioterapia de alto fluxo em pediatria e neonatal: Revisão de literatura. rev. saúde. 2017;11(1-2).
11. Csuka BLA. Fisioterapia no pré e pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica: revisão bibliográfica. rev. ciên saúde. 2019;4(1):17- 23.
12. Vasconcelos AK, Rocha F. Atuação da fisioterapia em crianças submetidas à correção cirúrgica de tetralogia de fallot: Uma revisão integrativa. Revista Digital. 2014 Ago; 19(195).
13. Agra JP, Lino MEM, Silva MEP et al. Atuação do fisioterapeuta na cardiopatia congênita pediátrica: revisão de literatura. Anais da XVIII Mostra Acadêmica do Curso de Fisioterapia. 2020;8(1).
14. Motter MEP. Ventilação não invasiva com altas pressões pode ser mais eficaz do que com baixas pressões no tratamento de atelectasia pós-operatória de cirurgia cardíaca. [dissertação]. Lisboa: Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa;2015.
15. Marciel DMVL. Fisioterapia no pós-operatório de tetralogia de fallot. rev. Scire Salutis. 2018;8(2):88 – 97.
16. Murki S, Singh J, Khant C et al. High-Flow Nasal Cannula versus Nasal Continuous Positive Airway Pressure for Primary Respiratory Support in Preterm Infants with Respiratory Distress: A Randomized Controlled Trial. Neonatology.2018;2013: 235–241.
17. Ferreira LGF, Couto AS, Ykeda DS. Efeitos da ventilação mecânica não - invasiva no pós-operatório de cirurgia cardíaca: revisão de literatura. rev. Fisioter S Fun. 2013 Jul/Dez;3(2):44-50.
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Cadernos ESP - Revista Científica da Escola de Saúde Pública do Ceará