Perfil epidemiológico das infecções relacionadas à assistência à saúde em Unidades de Terapia Intensiva
PDF

Palavras-chave

Infecção Hospitalar
Unidades de Terapia Intensiva
Prevalência
Incidência

Como Citar

1.
Rodrigues de Almeida N, Dias Frota de Carvalho BM, Bezerra do Nascimento Neta A, da Páscoa Queiroz S. Perfil epidemiológico das infecções relacionadas à assistência à saúde em Unidades de Terapia Intensiva. Cadernos ESP [Internet]. 4º de outubro de 2019 [citado 6º de dezembro de 2021];9(1):42-51. Disponível em: //cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/92

Resumo

Objetivo: Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) devem ser conhecidas pelos profissionais da saúde, possibilitando prevenção e tratamento de forma adequada e eficiente. Este trabalho visou realizar uma revisão sobre o perfil epidemiológico das Infecções Relacionadas à Assistência a Saúde no Brasil. Métodos: Nas bases Lilacs, Scielo e Medline, buscaram-se estudos nacionais publicados de 2005 a 2014 em português, inglês e espanhol, usando os descritores Infecção Hospitalar, Unidades de Terapia Intensiva, Prevalência e Incidência. Resultados: Nos onze artigos selecionados, a média das prevalências foi de 39,09%. Infecção respiratória/pneumonia, infecção do trato urinário e infecção de corrente sanguínea, tiveram médias de 36,9%, 12,17% e 24,42%, respectivamente. Os fatores associados foram implantação da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar, infecção comunitária no momento da internação e uso de antimicrobianos para seu tratamento, tempo de internação prolongado, colonização por microrganismos resistentes, procedimentos invasivos. Os microrganismos mais prevalentes foram Staphylococcus aureus (3,1% a 25,2%), Pseudomonas aeruginosa (10,85% a 33,8%) e Acinetobacter baumannii (9,61% a 12,6%). Conclusão: Prevalência de infecça?o e mortalidade elevadas foram observadas no presente trabalho. Faz-se necessária a realização de mais estudos para maior esclarecimento sobre a realidade das IRAS em UTIs do Brasil.

PDF