TRAT-C 2019
PDF

Palavras-chave

Estudo de Validação
Validação de Programas de Computador
Hepatite C Crônica
Fidelidade a Diretrizes
Guia de Prática Clínica

Categorias

Como Citar

1.
Pessoa FSR de P, Leite AB, Maia MM, Nunes JF. TRAT-C 2019: ESQUEMAS DE TRATAMENTO DA HEPATITE C NA PALMA DA MÃO. Cadernos ESP [Internet]. 27º de julho de 2021 [citado 16º de outubro de 2021];15(1):44-8. Disponível em: //cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/540

Resumo

Objetivo: Testar a efetividade e usabilidade do aplicativo TRAT-C 2019 na orientação do melhor esquema terapêutico para portador de hepatite C. Métodos: Os testes foram realizados com médicos residentes no ambulatório de hepatites virais do Hospital Geral de Fortaleza. A amostra foi composta por 81 portadores crônicos de hepatite C. Resultados: Houve prevalência do genótipo 1 (79%) e presença de fibrose significativa ou avançada em 77,7% dos casos. Obteve-se resposta virológica sustentada (RVS) em 98,1% dos pacientes tratados. A redução do tempo para determinação do esquema terapêutico adequado obtida com o app foi de 60,6% quando comparada à consulta ao material tradicional. A avaliação de usabilidade pela System Usability Scale obteve um escore médio de 89,92. Conclusão: O TRAT-C 2019 é de fácil utilização e efetivo na definição do esquema terapêutico para hepatite C, como foi comprovado pela taxa de RVS obtida seguindo-se o tratamento indicado pelo aplicativo.

PDF

Referências

1. Mathur P, Comstock E, Mcsweegan E, Mercer N, Kumar NS, Kottilil S. A pilot study to expand treatment of chronic hepatitis C in resource-limited settings. Antiviral Research 2017, 146:184-190.
2. Ridruejo E, Soza A. Which strategies should be implemented in Latin America to eradicate hepatitis C virus by 2030? Clinical Liver Disease 2019; 13(2):43-45.
3. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Hepatite C e Coinfecções. Brasília: Ministério da Saúde, 2019.
4. Lewis, J. Measuring perceived usability: SUS, UMUX and CSUQ ratings for four everyday products. International Journal of Human-Computer Interaction 2019; 35(15):1404-1419.
5. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico – Hepatites Virais. Brasília 2018; 49(31):1-76.
6. Lobato CMO, Codes L, Silva GF, Souza AFM, Coelho HSM, Pedroso MLA, et al. Direct antiviral therapy for treatment of hepatitis C: A real-world study from Brazil. Ann Hepatol 2019; 18:849-854.
7. Guss D, Jogganath S, Rossen P, Mohanty SR. Diagnosis and Management of Hepatitis C Infection in Primary Care Settings. J Gen Intern Med 2018; 33(4):551-557.
8. Silva NMPD, Pereira LA. Estudo Situacional das Hepatites Virais B e C no Estado do Ceará. Cadernos ESP, Ceará 2017; 11(2): 41-49.
9. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Saúde lança plano para eliminar hepatite C. 05 jul 2018. Disponível em: <https://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/43763-ministerio-da-saude-lanca-plano-para-eliminar-hepatite-c-ate-2030>
10. De Pace V, Morelli MC, Ravaioli M, Maggi F, Galli S, Vero V, Re MC, Cescon M, Pistello M. Efficacy, safety, and predictors of direct acting antiviral in hepatitis C virus patients with heterogeneous liver diseases. New Microbiol 2019; 42(4): 189-196.
11. Ventola CL. Mobile Devices and Apps for Health Care Professionals: Uses and Benefits. P&T 2014; 39(5):356-364.