TRAT-C 2019 ESQUEMAS DE TRATAMENTO DA HEPATITE C NA PALMA DA MÃO

Conteúdo do artigo principal

Francisco Sérgio Rangel de Paula Pessoa
Andrea Benevides Leite
Manoel Miqueias Maia
José Ferreira Nunes

Resumo

Objetivo: Testar a efetividade e usabilidade do aplicativo TRAT-C 2019 na orientação do melhor esquema terapêutico para portador de hepatite C. Métodos: Os testes foram realizados com médicos residentes no ambulatório de hepatites virais do Hospital Geral de Fortaleza. A amostra foi composta por 81 portadores crônicos de hepatite C. Resultados: Houve prevalência do genótipo 1 (79%) e presença de fibrose significativa ou avançada em 77,7% dos casos. Obteve-se resposta virológica sustentada (RVS) em 98,1% dos pacientes tratados. A redução do tempo para determinação do esquema terapêutico adequado obtida com o app foi de 60,6% quando comparada à consulta ao material tradicional. A avaliação de usabilidade pela System Usability Scale obteve um escore médio de 89,92. Conclusão: O TRAT-C 2019 é de fácil utilização e efetivo na definição do esquema terapêutico para hepatite C, como foi comprovado pela taxa de RVS obtida seguindo-se o tratamento indicado pelo aplicativo.

Detalhes do artigo

Como Citar
1.
Pessoa FSR de P, Leite AB, Maia MM, Nunes JF. TRAT-C 2019: ESQUEMAS DE TRATAMENTO DA HEPATITE C NA PALMA DA MÃO. Cadernos ESP [Internet]. 27º de julho de 2021 [citado 9º de dezembro de 2022];15(1):44-8. Disponível em: //cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/540
Seção
Artigos Originais
Biografia do Autor

Francisco Sérgio Rangel de Paula Pessoa, Hospital Geral de Fortaleza

Doutor em Biotecnologia em Saúde pela Universidade Estadual do Ceará. Vice-Presidente da Federação Brasileira de Gastroenterologia. Chefe do Serviço de Gastroenterologia do Hospital Geral de Fortaleza.

Manoel Miqueias Maia, Universidade Estadual do Ceará

Doutorando em Biotecnologia em Saúde pela Universidade Estadual do Ceará

Referências

1. Mathur P, Comstock E, Mcsweegan E, Mercer N, Kumar NS, Kottilil S. A pilot study to expand treatment of chronic hepatitis C in resource-limited settings. Antiviral Research 2017, 146:184-190.
2. Ridruejo E, Soza A. Which strategies should be implemented in Latin America to eradicate hepatitis C virus by 2030? Clinical Liver Disease 2019; 13(2):43-45.
3. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Hepatite C e Coinfecções. Brasília: Ministério da Saúde, 2019.
4. Lewis, J. Measuring perceived usability: SUS, UMUX and CSUQ ratings for four everyday products. International Journal of Human-Computer Interaction 2019; 35(15):1404-1419.
5. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico – Hepatites Virais. Brasília 2018; 49(31):1-76.
6. Lobato CMO, Codes L, Silva GF, Souza AFM, Coelho HSM, Pedroso MLA, et al. Direct antiviral therapy for treatment of hepatitis C: A real-world study from Brazil. Ann Hepatol 2019; 18:849-854.
7. Guss D, Jogganath S, Rossen P, Mohanty SR. Diagnosis and Management of Hepatitis C Infection in Primary Care Settings. J Gen Intern Med 2018; 33(4):551-557.
8. Silva NMPD, Pereira LA. Estudo Situacional das Hepatites Virais B e C no Estado do Ceará. Cadernos ESP, Ceará 2017; 11(2): 41-49.
9. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Saúde lança plano para eliminar hepatite C. 05 jul 2018. Disponível em:
10. De Pace V, Morelli MC, Ravaioli M, Maggi F, Galli S, Vero V, Re MC, Cescon M, Pistello M. Efficacy, safety, and predictors of direct acting antiviral in hepatitis C virus patients with heterogeneous liver diseases. New Microbiol 2019; 42(4): 189-196.
11. Ventola CL. Mobile Devices and Apps for Health Care Professionals: Uses and Benefits. P&T 2014; 39(5):356-364.