A ATUAÇÃO DO RESIDENTE DE SAÚDE COLETIVA NO CAMPO DE PRÁTICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.54620/cadesp.v17i1.898

Palavras-chave:

Residência;, Atenção Primária, Saúde Pública

Resumo

O Sistema Único de Saúde (SUS) fomenta e incentiva a criação de comissões permanentes de integração entre os serviços de saúde e as instituições de ensino superior, dentre elas, os programas de residências em saúde. Este relato objetiva descrever a experiência de uma residente em Saúde Coletiva acerca da práxis profissional na gestão e Atenção Primária à Saúde. Estudo descritivo, do tipo relato de experiência realizado entre março de 2019 a fevereiro de 2020 em Guaiuba (Ceará). O percurso elencou desafios, aprendizados e crescimento pessoal e profissional, bem como a compreensão entre a teoria e a prática. O resultado dessa experiência contribuiu para a compreensão da atuação do profissional sanitarista no âmbito da residência, permitindo visualizar a abrangência do campo de atuação as potencialidades e desafios encontrados com destaque para o papel do tutor e preceptor durante o processo formativo na área.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberta Duarte Maia Barakat, Universidade Estadual do Ceará. Fortaleza, CE - Brasil.

Graduada em Serviço Social (2004), Mestra em Saúde Coletiva (2019) e Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, todos pela Universidade Estadual do Ceará. Especialista em Docência na Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2015), Especialista em Educação na Saúde para Preceptores do SUS pelo Instituto Sírio-Libanês de Ensino-Libanês (2013), Especialista em Saúde da Família e Comunidade pela Universidade Estadual do Ceará (2009).Experiência na área de Saúde Pública com ênfase em Saúde Coletiva e Atenção Primária à Saúde, principalmente nos seguintes temas: Promoção da Saúde, Educação em Saúde Pública, Educação em Saúde, Atenção Primária à Saúde, Políticas e Programas de Saúde, Estratégia Saúde da Família e Photovoice. Atua como orientadora de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) no curso de Especialização em Saúde da Família/Programa Mais Médicos da Universidade Federal do Ceará (NUTEDS/UFC), orientadora de Trabalho de Conclusão de Residência (TCR) do curso de Residência Multiprofissional em Saúde (RIS) pela Escola de Saúde Pública do Ceará (ESP). Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES. Parecerista de revistas e periódicos científicos nacionais. Atualmente membro do Grupo de Pesquisa Epidemiologia, Cuidado em Cronicidade e Enfermagem-GRUPECCE-CNPq.

Kilvia Paula Soares Macêdo, Universidade Estadual do Ceará. Fortaleza, CE - Brasil.

Enfermeira. Especialista em Saúde da Família, pela Universidade Federal do Ceará (UFC), em Terapia Intensiva para Fisioterapeutas e Enfermeiros (ESP/CE), especialista também em Micropolítica da Gestão e Trabalho em Saúde pela Universidade Federal Fluminense (UFF), Informática em Saúde pela Universidade Federal de São Paulo e Universidade Aberta do Brasil (UNIFESP/UAB) e Especialização em Especialização em Mediação de Processos Educacionais na Modalidade Digital pela Faculdade São Leopoldo Mandic (SLMandic). Mestre e Doutoranda em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde (UECE) desenvolvendo pesquisas na área das Tecnologias Digitais de Informática e Informação em Saúde nos cenários da Gestão, Atenção e Educação Permanente em Saúde. Tem experiência em Assessoria Técnica em Educação Permanente em Saúde, Gestão em Saúde Pública e Prática Clínica na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem de Saúde Pública e Terapia Intensiva.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Lei n. 8080, de 19 de setembro de 1990. Lei Orgânica da Saúde (LOS). Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 1990.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria de Consolidação nº 2 GM/MS nº 198 de 13 de fevereiro de 2004. Consolidação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Diário Oficial da União; 03 mar 2021.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Interministerial de nº 1.077/MEC/MS, de 12 de novembro de 2009. Institui a Residência Multiprofissional em Saúde. Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF; 13 nov. 2009. Seção I. [citado em 10 mar. 2021]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15462-por-1077-12nov-2009&Itemid=30192.

Fleury S. Reforma sanitária brasileira: dilemas entre o instituinte e o instituído. Ciênc. saúde coletiva. 2009[citado em mar. 2021];14(3):743-752. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232009000300010&lng=pt

Ceará. Governo do Estado do Ceará. Secretaria de Saúde do Estado do Ceará. Escola de Saúde Pública do Ceará. Requalificação da Carga Horária do Componente Comunitário da Residência Integrada em Saúde da Escola de Saúde Pública do Ceará. Fortaleza: Secretaria de Saúde do Estado do Ceará; 2019.

Ceará. Governo do Estado do Ceará. Secretaria de Saúde do Estado do Ceará. Escola de Saúde Pública do Ceará. Manual do Profissional Residente. Turma VI, 2019-2021.Fortaleza: Secretaria de Saúde do Estado do Ceará; 2021.

Daltro MR, Faria AA. Relato de experiência: Uma narrativa científica na pós-modernidade. Estud. pesqui. psicol. 2019[citado em mar. 2021];19(1):223-237. Disponível em:http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812019000100013

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.2020 [citado em mar. 2021]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ce/guaiuba/panorama

Sarmento CK, Nascimento Júnior JMHórus: inovação tecnológica na assistência farmacêutica no sistema único de saúde. Rev. Saúde Pública. 2012[citado em mar. 2021];46(1):91-99. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102012000700013&lng=en

Ceará. Governo do Estado do Ceará. Secretaria de Saúde do Estado do Ceará. Escola de Saúde Pública do Ceará. Projeto Político pedagógico da Residência multiprofissional da Saúde Coletiva. Saúde da Escola de Saúde Pública do Ceará. Fortaleza: Secretaria de Saúde do Estado do Ceará; 2012.

Silva VO, Pinto ICM. Construção da Identidade dos atores da Saúde Coletiva no Brasil: uma revisão da literatura Interface. 2013 [citado em mar. 2021];17(46):549-560.Disponível em: https://www.scielo.br/j/icse/a/7G6JcqSpqLk3pwtz8RXktpg/abstract/?lang=pt

Alencar OM. Ser Sanitarista: reflexões e criticidade conceituais na contemporaneidade: Cadernos ESP. 2018 [citado em jan. 2021];12(2):128-130. Disponível em: Disponível em: https://cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/16

Downloads

Publicado

09-08-2023

Como Citar

1.
Bezerra Marques NM, Duarte Maia Barakat R, Soares Macêdo KP. A ATUAÇÃO DO RESIDENTE DE SAÚDE COLETIVA NO CAMPO DE PRÁTICA . Cadernos ESP [Internet]. 9º de agosto de 2023 [citado 22º de fevereiro de 2024];17(1):e898. Disponível em: https://cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/898

Edição

Seção

Relato de Experiência, Atualização e/ou Inovação Tecnológica

Categorias

Received 2022-05-07
Accepted 2022-09-15
Published 2023-08-09

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.