VIOLÊNCIA DOMÉSTICA UM ESTUDO COM MULHERES ATENDIDAS NO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL

Conteúdo do artigo principal

Antonia Leticia Ximenes de Oliveira
Leidy Dayane Paiva de Abreu

Resumo

Analisar as consequências da violência doméstica na saúde mental de mulheres acompanhadas pelo Centro de Atenção Psicossocial de um municipio no interior do Ceará. Foi realizada uma pesquisa de campo, do tipo exploratório, abordagem qualitativa, de setembro a novembro de 2020 com mulheres que integram o serviço de saúde mental. A coleta aconteceu de forma alternada, virtual e presencial, tendo em vista as dificuldades postas com a pandemia da COVID-19, contabilizando uma amostra de seis mulheres com idade maior de 18 anos que participam    de grupo terapêutico da instituição e vivenciaram episódios de violência doméstica. A pesquisa seguiu os preceitos éticos n°4.255.824. O estudo evidenciou predominância da violência psicológica, física e sexual. Os sintomas de adoecimento mental encontrados como consequências da violência doméstica foram ansiedade, insônia, baixa estima, síndrome do pânico e comportamentos autoagressivos. Sugerem-se estudos acerca dessa temática, no intuito de promoção do conhecimento, elaboração de estrategias de cuidados, prevenção e minimização de danos relacionados a violência doméstica e incentivo aos investimentos em mecanismos de proteção para as mulheres.

Detalhes do artigo

Como Citar
1.
Ximenes de Oliveira AL, Paiva de Abreu LD. VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: UM ESTUDO COM MULHERES ATENDIDAS NO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Cadernos ESP [Internet]. 3º de março de 2022 [citado 28º de maio de 2022];16(1):18-26. Disponível em: //cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/543
Seção
Artigos Originais

Referências

1. Matos, T. S. T. P. M.Consulta de Enfermagem Especializada de Saúde Mental e Psiquiátrica: Um contributo para a promoção da continuidade dos cuidados após alta hospitalar.2019. 119f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem em Associação) - Setúbal, 2019.Disponivel em < https://repositorio.ipbeja.pt/handle/20.500.12207/4876 > Acesso em Agosto de 2020.
2. Conselho Federal de Assistentes Sociais. “Parâmetros para a Atuação de Assistentes Sociais na Saúde”. Disponível em: . Brasilia ,2010. Acesso em 20 janeiro 2021.
3. Brasil. Presidência da República. Lei n. 11.340, de 7 de agosto de 2006, Lei Maria da Penha. Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm > Acesso em 28 de Outubro de 2019.
4. Correia, C. M .et al. Sinais de risco para o suicídio em mulheres com história de violência doméstica* Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. 2018.Disponivem em < http://pepsic.bvsalud.org/pdf/smad/v14n4/05.pdf> Acesso em 07 de dezembro de 2020.
5. Curia, B. G. et.al. Produções científicas brasileiras em Psicologia sobre violência contra mulher por parceiro íntimo.2020 Psicologia: Ciência e Profissão, 40, 1-19. Disponível em < https://www.scielo.br/pdf/pcp/v40/1982-3703-pcp-40-e189184.pdf > Acesso em 09 de janeiro de 2021.
6. Dsflon, VT. Dilemas e perspectivas dos feminismos no Brasil contemporâneo. Sociol. Antropol. Vol.9 no.1, 2019. Citado em 20 de maio de 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2238-38752019000100315 .Acesso em junho de 2020. Cisne, Mirla. Feminismo, diversidade sexual e serviço social -São Paulo:Cortez,2018(Biblioteca básica de serviço social; v.8).
7. Minayo, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 13ª ed. São Paulo: Hucitec; 2013.
8. Ministério da Saúde. PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011. Disponível em Acesso em 08 de agosto de 2020
9. Marques, Beatriz.et.al. Lei Maria da Penha: uma análise crítica à luz da criminologia feminista,2019. Disponível em Acesso de 06 de dezembro de 2020.
10. Vieira, Pâmela. et.al. Isolamento social e o aumento da violência doméstica: o que isso nos revela? .2020 .Disponível em < https://www.scielo.br/pdf/rbepid/v23/1980-5497-rbepid-23-e200033.pdf> Acesso de 06 de dezembro de 2020.
11. Silva, AF .et.al.Violência doméstica contra a mulher: contexto sociocultural e saúde mental da vítima.2019 Disponível em Acesso em 06 de janeiro de 2020.
12. Ipea. Atlas da Violência 2020. Disponível em: < https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/24/atlas-da-violencia-2020 >Acesso em 06 de janeiro de 2021.
13. Brasil. Presidência da República. LEI Nº 13.104, DE 9 DE MARÇO DE 2015 ,Lei do Feminicídio. Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13104.htm> Acesso em 28 de Outubro de 2019.
14. Oliveira, N et al. Violência contra a mulher: sofrimento psíquico e adoecimento mental. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, vol. 8, núm. 2, mayo-agosto, 2007, pp. 93-100 Universidade Federal do Ceará Fortaleza, Brasil .Disponível em < https://www.redalyc.org/pdf/3240/324027958012.pdf> Acesso em 07 de janeiro de 2020.
15. Santos AG, Monteiro CFS, Feitosa CDA, Veloso C, Nogueira LT, Andrade EMLR. Tipos de transtornos mentais não psicóticos em mulheres adultas violentadas por parceiro íntimo: uma revisão integrativa.2017 Rev Esc Enferm USP. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1980-220X2017030203328. Disponivel em http://www.revenf.bvs.br/pdf/reeusp/v52/0080-6234-reeusp-52-e03328.pdf>Acesso em 11 de janeiro de 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.