CARDIOPATIAS CONGÊNITAS CONSTRUÇÃO DE UM ÁLBUM SERIADO

Conteúdo do artigo principal

Taiane da Silva Soares
Gezabell Rodrigues
Adelina Braga Batista
Joana Angélica Marques Pinheiro
Paulo Vinícius de Oliveira Júnior
Camila Fernandes Mendes

Resumo

Construir um álbum seriado acerca das cardiopatias congênitas como instrumento para a Educação em Saúde. A construção ocorreu em duas etapas: Revisão integrativa acerca do tema e elaboração de álbum seriado a partir dos dados obtidos e da vivência da pesquisadora. O estudo seguiu a Resolução 466/12, sendo aprovado pelo comitê de ética com parecer número 2931.261. O álbum é constituído por 10 ilustrações, as quais ficam expostas para os participantes, e por 10 fichas roteiro correspondentes, as quais ficam voltadas para o profissional. Constituído pelas patologias: Comunicação Interventricular (CIV), Comunicação Interatrial (CIA), Persistência do Canal Arterial (PCA), Transposição das Grandes Artérias (TGA), Tetralogia de Fallot (T4F), Estenose Aórtica (EA), Atresia Pulmonar (AP), Defeito do Septo Atrioventricular (DSAV). O desenvolvimento do álbum seriado teve o intuito de propiciar à equipe multiprofissional um material educativo, que possibilite o entendimento por parte dos familiares acerca da cardiopatia congênita do filho e esclarecer as dúvidas de pais e familiares referentes ao tratamento e ao acompanhamento da criança pelo serviço especializado, minimizando o estresse e estimulando o empoderamento e a confiança no cuidar.    

Detalhes do artigo

Como Citar
1.
da Silva Soares T, Rodrigues G, Braga Batista A, Marques Pinheiro JA, de Oliveira Júnior PV, Fernandes Mendes C. CARDIOPATIAS CONGÊNITAS: CONSTRUÇÃO DE UM ÁLBUM SERIADO. Cadernos ESP [Internet]. 13º de junho de 2022 [citado 10º de agosto de 2022];16(2):10-8. Disponível em: //cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/592
Seção
Artigos Originais

Referências

1. Mitchell SC, et al. Congenital heart disease in 56,109 births. Incidence and natural history. Circulation. v.43, p.323-32; 1971.
2. Rosa RCM et al. Cardiopatias congênitas e malformações extracardíacas. Rev Paul Pediatr.v.31, n.2, p.243-51; 2013.
3. Pinto Júnior VC et al. Epidemiologyof congenital heartdisease in Brazil. Ver Bras Cir Cardiovasc., v. 30, n. 2, p. 219-224, 2015.
4. Caneo LF et al. Uma reflexão sobre o desempenho da cirurgia cardíaca pediátrica no Estado de São Paulo. Rev Bras Cir Cardiovasc., v. 27, n, 3, p. 457-462, 2012.
5. Croti UA. Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular Pediátrica. 2ª ed. São Paulo: Roca; 2012
6. Bregman S, Frishman WH. Impact of Improved Survival in Congenital Heart Disease on Incidence of Disease. Cardiol Rev. v.26, n.2, p.82-85, Mar/Apr,2018.
7. Hoang TT et al. The Congenital Heart Disease Genetic Network Study: Cohort description. Plos one. v. 13, n.1, p.2-14, jan, 2018.
8. Damas BGB, Ramos CA, Rezende MA. Necessidade de informação a pais de crianças. Rev Bras Crescimento Desenvolvimento Hum. v.19; n.1; p. 103-113,2009.
9. Baggio MA, Teixeira À, Portella MR. Pré-operatório do paciente cirúrgico cardíaco: a orientação fazendo a diferença. R gaúcha Enferm; v.22, n.1, p.122-39, Jan, 2001.
10. Santos RV, Penna CMM. A educação em saúde como estratégia para o cuidado à gestante, puérpera e ao recém-nascido. Texto Contexto Enferm., v.18, n.4, p.652-660,2009.
11.Nietsche EA. Tecnologia emancipatória: possibilidade para a práxis de enfermagem. Ijuí: UNIJUÍ; 2000.
12. Merhy EE. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Hucitec, 2002.
13. Flausino JM, Oliveira JZ, Zago MMF. Álbum seriado para o ensino do laringectomizado. Rev. Latino-Am. Enfermagem. v.8, n.1 Ribeirão Preto Jan. 2000.
14. Souza ACC. Construção e validação de tecnologia educacional como subsídio à ação do enfermeiro na promoção da qualidade de vida e adesão ao tratamento de pessoas com hipertensão. 2015. Tese (Doutorado em Cuidados Clínicos em Enfermagem). 192f. Centro de Ciências da Saúde, Universidade Estadual do Ceará, Ceará.
15. Chaves AFL et al. Aplicação de álbum seriado para promoção da autoeficácia materna em amamentar. Rev. Rene. v. 16, n.3, p.407-14. maio-jun, 2015.
16. Mendes CF. Letramento funcional em saúde dos responsáveis por crianças com cardiopatia congênita: tecnologia educativa para a promoção da saúde e do cuidado. Dissertação (Mestrado em Saúde da Criança e Adolescente) – Universidade Estadual do Ceará, UECE, Fortaleza, 2016.
17. Polit DF, Beck CT. Fundamentos de Pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para as práticas da enfermagem. 7a ed. Porto Alegre (RS): Artmed; 2011.
18. Derrick HZ, Margaret H, Menahem S. Educational DVD for parents of children with congenital heart disease – a pilot study. Journal of visual communication in medicine, 2017.
19. Simeone S et al. Comparative Analysis: Implementation of a Pre-operative Educational Intervention to Decrease Anxiety Among Parents of children With Congenital Heart Disease. Journal of Pediatric Nursing, 2017
20. Ni Z, Chao Y, Xue X. An empowerment health education program for children undergoing surgery for congenital heart diseases. Journal of Child Health Care. 2015.
21. Biglino G et al. 3D-manufactured patient-specific models of congenital heart defects for communication in clinical practice: feasibility and acceptability. BMJ Open 2015.
22. Dodt RCM, Ximenes LB, Oria MOB. Validation of a flip chart for promoting breastfeeding. Acta Paul Enferm. v.25, n.2, p.225-30,2012.
23. Pereira DA, et al. Efeito de intervenção educativa sobre o conhecimento da doença em pacientes com diabetes mellitus. Rev. Latino-Am Enfermagem. v.20, n.3, p.478-85,2012.
24. Novaes JF, et al. Fatores ambientais associados ao sobrepeso infantil. Rev. Nutr. v.22, n.5, p.661-73, 2009.
25. Freire P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1999.
26. Moore KL. Anatomia orientada para clínica. 7ª edição. Rio de Janeiro: Koogan, 2014.
27. Chantepie A. Communications interventriculaires. EMC - Cardiologie-Angéiologie, v.2, n.2, p. 202-230. doi:10.1016/j.emcaa.2005.03.001.
28. Mahmould HM, et al. An interatrial tunnel: a rare form of of atrial septal defects. Echocardiography, v.33, n.11, p.1781-1784,2016.
29. Geva T, Martins JD, Wald RM. Atrial septal defects. The Lancet, v.383 n.9932, p.1921-1932. 2014, doi: 10.1016 / s0140-6736 (13) 62145-5.
30. Rolland A. et al. Natural evolution of patent ductus arteriosus in the extremely preterm infant. Fetal Neonatal Ed. v.100, n.1, p. F55-8,2015.
31. Anilkumar M. Ductus arteriosus patente. Clínicas de Cardiologia, v.31, n.3, p. 417-430. 2013. doi: 10.1016 / j.ccl.2013.05.006.
32. Cruz AKT, et al. Avaliação do desempenho motor de crianças cardiopatas em um hospital público no município de Fortaleza-Ce. Rev. Fisioter. S. Fun., Fortaleza, v. 2, n. 1, p. 14-20, 2013.
33. Jatene MB, Janete FB, Monteiro AC. Correção cirúrgica da transposição das grandes artérias: 30 anos de operação de Jatene. Rev. Med. (São Paulo), São Paulo, v. 84, n. 3/4, p. 113-117, 2005.
34. Pfeiffer MET, et al. Avaliação Clínica e Funcional Tardia de Arritmias em Crianças Operadas de Tetralogia de Fallot. Arq Bras Cardiol; v.95, n.3, p. 295-302,2010.
35. O'brien PE, Marshall AC. Coarctation of the Aorta. Circulation, v.131, n.9, p.363 – e365. 2015. doi: 10.1161 / circulaçãoaha.114.008821.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)