A (TRANS)FORMAÇÃO DOS ESTAGIÁRIOS DE NUTRIÇÃO CLÍNICA PELO PROENSINO

Conteúdo do artigo principal

Yatagan Moreira da Rocha
Rebecca Alves Falcão
Layanne Cavalcante Gomes
Angela Nirlene Monteiro Vieira Melo
Alane Nogueira Bezerra

Resumo

Relatar atividades, vivências e aprendizados no estágio de nutrição clínica do PROENSINO em uma unidade hospitalar terciária de Fortaleza-CE. Relato de experiência, descritivo, acerca das vivências de estagiários de nutrição do PROENSINO em um hospital especializado em cardiologia e pneumologia de Fortaleza-CE entre 2018 e 2020. Os estagiários desenvolveram e participaram de diversas atividades, como na assistência à saúde em Unidades de Terapia Intensiva com equipe multiprofissional. Durante o estágio, além da aquisição de competências técnicas da área de nutrição foi aprendida a importância da multiprofissionalidade no cuidado ao paciente e o exercício da interdisciplinaridade enquanto acadêmicos da saúde. O PROENSINO se configura como importante mecanismo na transformação e formação acadêmico-profissional, permitindo o desenvolvimento de autonomia e segurança no exercício da profissão, promovendo novos saberes e contribuindo na formação diferenciada e humanizada na área da saúde.

Detalhes do artigo

Como Citar
1.
Rocha YM da, Falcão RA, Gomes LC, Melo ANMV, Bezerra AN. A (TRANS)FORMAÇÃO DOS ESTAGIÁRIOS DE NUTRIÇÃO CLÍNICA PELO PROENSINO. Cadernos ESP [Internet]. 30º de dezembro de 2022 [citado 27º de janeiro de 2023];16(4):125-9. Disponível em: //cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/874
Seção
Relato de Experiência, Atualização e/ou Inovação Tecnológica

Referências

Negreiros RV, Lima VCB. Importância do Estágio Supervisionado para o Acadêmico de Enfermagem no Hospital: compartilhando experiências vivenciadas com a equipe de trabalho. Revista da Universidade Vale do Rio Verde. 2018; 16(2):1-7. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5892/ruvrd.v16i2.4359

Chaud DMA, Abreu ES. Estágios não-obrigatórios em Nutrição: a busca pela qualidade de ensino aliada às atuais exigências legais e educacionais – relato de caso. Revista eletrônica de comunicação Informação & inovação em saúde. 2011; 5(3):1-11. DOI: 10.3395/reciis.v5i3.447pt

Polzin FR, Bernardim ML. Estágio não obrigatório: um estudo com universitários do curso de administração. Diálogo. 2018; 37:83-97. Disponível em: http://dx.doi.org/10.18316/dialogo.v0i37.3689

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de gestão da Educação na Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde: o que se tem produzido para o seu fortalecimento? Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2018. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_educacao_permanente_saude_fortalecimento.pdf

Souza EC, Castro Júnior AR, Cavalcante ASP, Torres RAM, Silva MRF. Projeto Vivências e Estágios na Realidade do Sistema Único de Saúde: linha de fuga na formação em saúde para uma atuação na saúde coletiva. Saúde em Debate. 2019; 43(122):897-905. DOI: 10.1590/0103-1104201912219

Oliveira FA, Ferreira JLPM, Santos APLM, Melo DCM, Machado MMT. Vivências Acadêmico-Profissionais Adquiridas em Programa de Estágio da Secretaria da Saúde do Ceará. Cadernos ESP [online]. 2019; 13(1):94-104. Disponível em: https://cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/541

Taques N, Herdt ABS, Medino IC, Mazur CE. “Sinto-me insegura quanto aos desafios a serem enfrentados”: expectativas de graduandos quanto ao estágio em nutrição clínica hospitalar. BRASPEN Journal. 2018; 33(4):379-383. Disponível em: http://arquivos.braspen.org/journal/out-dez-2018/artigos/04-AO-Sinto-me-insegura.pdf

Evangelista VC, Domingos TS, Siqueira FPC, Braga EM. Equipe multiprofissional de terapia intensiva: humanização e fragmentação do processo de trabalho. Revista Brasileira de Enfermagem [online]. 2016, 69(6):1099-1107. DOI: 10.1590/0034-7167-2016-0221