CONFERÊNCIAS FAMILIARES ONLINE RECURSO DE CUIDADO NA PANDEMIA

Conteúdo do artigo principal

Fernanda Gomes Lopes
Glenda Sabino Paiva
Rebecca Holanda Arrais
Renata Rocha Barreto Giaxa

Resumo

A pandemia de COVID-19 teve início em dezembro de 2019 e, por seu alto grau de transmissibilidade, demandou uma nova organização dos serviços assistenciais, a partir da incorporação das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) no cotidiano da assistência em saúde e exigência de diversas adaptações. Diante disso, este artigo tem por objetivo apresentar um relato de experiência acerca da atuação de equipe de saúde com conferências familiares via TICs em um hospital da cidade de Fortaleza, Ceará, no contexto da pandemia de COVID-19, entre março e julho de 2020, entendendo a conferência como intervenção em saúde voltada à comunicação e à tomada de decisão compartilhada. Em suma, a conferência familiar, mediada por TICs, apresentou-se como elemento fundamental na manutenção de vínculos e na assistência à família durante o período de isolamento social rígido. Entretanto, considerando intercorrências próprias da dependência de recursos tecnológicos, destaca-se a importância de um planejamento prévio em que se considere um preparo para o imprevisível, uma investigação dos recursos de tecnologia disponíveis e uma ênfase na elaboração de vínculos entre equipe-família-paciente.

Detalhes do artigo

Como Citar
1.
Gomes Lopes F, Sabino Paiva G, Holanda Arrais R, Rocha Barreto Giaxa R. CONFERÊNCIAS FAMILIARES ONLINE: RECURSO DE CUIDADO NA PANDEMIA . Cadernos ESP [Internet]. 3º de março de 2022 [citado 25º de junho de 2022];16(1):116-21. Disponível em: //cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/556
Seção
Relato de Experiência, Atualização e/ou Inovação Tecnológica

Referências

1. Organização Pan-Americana da Saúde. Folha informativa sobre COVID-19 [Internet]. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2020 - [citado em 2021 Apr 19]. Disponível em: https://www.paho.org/pt/covid19
2. Neto Galriça I. A conferência familiar como instrumento de apoio à família em cuidados paliativos. Rev Port Clin Geral. 2003; 19(1): 68-74.
3. Conrado C, Cavalcante L. Reuniões familiares em cuidados paliativos como ferramenta de comunicação e acolhimento familiar. In: Lopes F (Org.). Residências multiprofissionais hospitalares: revisitando resultados de um processo de construção. Fortaleza: EdUece; 2021. 200-213.
4. Hudson P, Quinn K, O’Hanlon B, Aranda S. Family meetings in palliative care: multidisciplinary clinical practice. BMC Palliat Care. 2008; 19(7): 1-12.
5. Crispim D, Brandão A. Condução de uma reunião de família em cuidados paliativos. In: Carvalho RT, Souza MRB, Franck EM, Polastrini RTV, Crispim D, Jales SMCP, et al (Org.). Manual da residência de cuidados paliativos: abordagem multidisciplinar. Barueri: Manole; 2018. 621-631.
6. Baile W, Buckman R, Lenzi R, Glober G, Beale E, Kudelka A. SPIKES - a six-step protocol for delivering bad news: application to the patient with cancer. Oncologist. 2000; 5(4): 302-311.
7. Besen, BAMP. Abordagem clínica do paciente com SRAG por Covid-19. In: Conselho Nacional dos Secretários da Saúde (CONASS). Acesso e cuidados especializados. Brasília: CONASS; 2021. 60-81.
8. Lima MJV, Gonçalves EFLM, Vasconcelos ABLP, Abreu ARS, Mendonça SM. A esperança venceu o medo: psicologia hospitalar na crise do Covid-19. Cadernos ESP. 2020; 14(1): 100-108.
9. Silva T, Trindade G, Paixão G, Silva M. Conferência familiar em cuidados paliativos: análise de conceito. Rev Bras Enferm. 2018; 71(1): 218-226.
10. Crispim DH, Bernardes DC. Comunicação em cuidados paliativos. In: Carvalho RT, Souza MRB, Franck EM, Polastrini RTV, Crispim D, Jales SMCP, et al (Org.). Manual da residência de cuidados paliativos: abordagem multidisciplinar. Barueri: Manole; 2018, p. 41-55.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)