NATURALIZAÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER ATRAVÉS DA MUSICALIDADE UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

Conteúdo do artigo principal

Márcia Andrade dos Santos Pereira
Leidy Dayane Paiva de Abreu
Maria Lourdes dos Santos
Olga Maria de Alencar
Alba Maria Pinto da Silva
Francisco Jadson Franco Moreira
Mirna Neyara Alexandre de Sá Barreto Marinho

Resumo

Analisar na literatura científica a naturalização da violência contra mulher presente na música brasileira. Revisão integrativa, tipo exploratória, abordagem qualitativa, realizada de 2020 a fevereiro de 2021. No processo de elaboração, foi utilizada a estratégia PICO: P corresponde às mulheres, I corresponde à música, C sem comparação e O corresponde ao comportamento. A questão norteadora: De que forma a produção musical pode influenciar na naturalização e perpetuação da violência contra a mulher? Na coleta de dados utilizamos as bases: Scientific Eletronic Library Online (SCIELO), Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (MEDLINE), com os seguintes descritores: violência; música; mulher. Primeiramente, foram selecionados 11 estudos de 537, sendo a maioria deles identificados na base portal BVS, seguidos da SCIELO e PUBMED; não foi encontrado nenhum estudo na LILACS. Após critérios de inclusão e exclusão, com leitura detalhada, ficaram 4 artigos para análise. A partir dos resultados já obtidos, é possível inferir que a música exerce grande influência sobre o comportamento humano, incluindo o comportamento do agressor. Dessa forma, torna-se fundamental analisar criticamente aquilo que se ouve enquanto produção de música.

Detalhes do artigo

Como Citar
1.
Pereira MA dos S, Abreu LDP de, Santos ML dos, Alencar OM de, da Silva AMP, Franco Moreira FJ, Barreto Marinho MNA de S. NATURALIZAÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER ATRAVÉS DA MUSICALIDADE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA. Cadernos ESP [Internet]. 13º de junho de 2022 [citado 25º de junho de 2022];16(2):99-106. Disponível em: //cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/642
Seção
Artigos de Revisão
Biografia do Autor

Leidy Dayane Paiva de Abreu, Escola de Saúde Pública do Ceará

Enfermeira. Doutora do Programa de Pós-graduação Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde da Universidade Estadual do Ceará (UECE). Pesquisadora do Centro de Investigação Científica da Escola de Saúde Pública do Ceará(ESPCE).

Maria Lourdes dos Santos, Escola de Saúde Pública do Ceará

Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC).  Pesquisadora do Centro de Investigação Científica da Escola de Saúde Pública do Ceará (ESPCE).

Olga Maria de Alencar, Universidade Estadual do Ceará

Mestre em Saúde Coletiva do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva da Universidade Estadual do Ceará (UECE).

Referências

Duarte. M. Sobral investe em políticas contra a violência doméstica. Blog O Povo. Sobral, mar. 2016.

Frota MHP, Santos VM, Barroso HC, Alves DR. “Uma expressão da violência de gênero no Ceará”: o assassinato de mulheres. In: Anais da V Jornada Internacional De Políticas Públicas; 23-26 ago. 2011. São Luiz; 2011.

Coelho EBS, Silva ACLG, Lindner SR. Violência: Definições e tipologias. Florianópolis: UFSC; 2014.

Campos AC. Cultura Machista está impregnada na Sociedade Brasileira, diz Socióloga. Agencia Brasil [Internet]. Brasilia, 2014. [citado 20 jan. 2020]. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2014-03/pesquisa-do-ipea-comprovaque-cultura-machista-esta-impregnada-na-sociedade.

Forte SBM. A violência contra a mulher no Estado do Ceará e a aplicação da Lei Maria da Penha [Trabalho de Conclusão de Curso]. Fortaleza: Universidade Estadual; 2008.

Brasil. Lei n. 9.099, de 26 de setembro de 1995. Dispõe sobre os Juizados Especiais Cíveis e criminais e dá outras providências. Edição Federal. Brasília: Diário Oficial da União; 1995.

Brasil. Lei n.10.455, de 13 de maio de 2002. Modifica o parágrafo único do art. 69 da Lei n° 9.099, de 26 de setembro de 1995. Edição Federal. Brasília: Diário Oficial da União; 14 maio 2002.

Brasil. Ministério da Justiça e Cidadania. Ligue 180 Central de Atendimento da Mulher. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, Balanço 1° Semestre | 2016. Brasília: Ministério da Justiça e Cidadania; 2016. [citado 2 jan 2021]. Disponível em: http://www.mulheres.ba.gov.br/arquivos/File/Publicacoes/Balanco_Ligue180_1semestre2016.pdf

Brilhante AVM, Moreira GAR, Vieira LJES, Catrib AMF. Um estudo bibliométrico sobre a violência de gênero. Saúde Soc 2016;25:703-15.

Muszkat M, Correia CMF, Campos SM. Música e Neurociências. Rev Neurociências 2000; 8(2):70-75.

Garcia J, Pereira J, Antoni JL, Soczek KL. “A influência da música brasileira na naturalização da violência contra a mulher”. Anais da XV Jornada Científica dos Campos Gerais e Direitos Humanos; 25-27 out 2017. Ponta Grossa; 2017. [citado 2 jan 2021]. Disponível em: file:///D:/Users/CENIC/Downloads/268-Texto%20do%20artigo-1512-1-10-20171017.pdf.

Koskoff E. A feminist ethnomusicology: writings on music and gender. Chicago: University of Illinois Press; 2014.

Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein. 2010;8(1):102-6.

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2008; 17(4):758-64.

Rosa LA. “Música e violência”: narrativas do divino e feminicídio. In: Sardenberg CMB, Tavares MS. Violência de gênero contra mulheres: suas diferentes faces e estratégias de enfrentamento e monitoramento. Salvador: EDUFBA; 2016. p. 293-326.

Brilhante, AVM, Nations MK, Catrib AMF. Taca cachaça que ela libera: violência de gênero nas letras e festas de forró no Nordeste do Brasil. Cad. Saúde Pública. 2018; [citado 2 jan 2021]; 34(3); 2018 mar. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2018000305010.

Franiuk R, Coleman J, Apa B. The Influence of Non-Misogynous and Mixed Portrayals of Intimate Partner Violence in Music on Beliefs About Intimate Partner Violence. Violence Against Women. 2017; 23(2):243-257.

Herd D. Changing Images of Violence in Rap Music Lyrics: 1979-1997. Journal of Public Health Policy. 2009; [citado 17 fev 2021]; 30(4); 2009; p.395–406. Disponível em: www.jstor.org/stable/40542235.