DEMANDA ESPONTÂNEA NA ATENÇÃO PRIMÁRIA AVALIAÇÃO DE MÉDICOS

Conteúdo do artigo principal

Luis Lopes Sombra Neto
Ívina Mourão Lobo Melo
Maria Mariana Souza Meireles
Geilson Gonçalves de Lima

Resumo

Avaliar o acolhimento da demanda espontânea na Atenção Primária à Saúde (APS) sob a ótica dos médicos. Estudo descritivo com abordagem quantitativa e delineamento transversal, realizado com 55 médicos atuantes na APS, por meio de formulário elaborado pelos pesquisadores, no período de julho/2020 a agosto/2020. A maioria dos médicos participantes estava com 1 a 5 anos em atuação na APS. O atributo da APS considerado mais importante para o acolhimento: “trabalho em equipe” com 41,8% (n=23), “resolutividade” com 36,4% (n=20), “acesso aos serviços de saúde” com 20% (n=11). Nas notas atribuídas ao acolhimento nas unidades de atuação, constatou-se a média de 6,4, sendo a maioria associada ao conceito “bom”, com 52,7% (n=29), porém mais de 45% (n=25) avaliaram como “regular” ou “ruim”. Apesar da potencialidade do acolhimento da demanda espontânea, a avaliação negativa de parte expressiva dos médicos demonstra a necessidade de inserir estratégias para seu aprimoramento.

Detalhes do artigo

Como Citar
1.
Sombra Neto LL, Melo Ívina ML, Meireles MMS, Lima GG de. DEMANDA ESPONTÂNEA NA ATENÇÃO PRIMÁRIA: AVALIAÇÃO DE MÉDICOS. Cadernos ESP [Internet]. 13º de junho de 2022 [citado 25º de junho de 2022];16(2):34-9. Disponível em: //cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/789
Seção
Artigos Originais
Biografia do Autor

Luis Lopes Sombra Neto, Universidade Federal do Ceará

Universidade Federal do Ceará, Departamento de Psiquiatria, Fortaleza, Ceará, Brasil.

E-mail: luisneto88@gmail.com

Lattes: http://lattes.cnpq.br/1524838226310991

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-0204-1960

Ívina Mourão Lobo Melo, Universidade Federal do Ceará

Universidade Federal do Ceará, Curso de Medicina, Fortaleza, Ceará, Brasil.

E-mail: ivinamourao@gmail.com

Lattes: http://lattes.cnpq.br/6097312817323790

ORCID: https://orcid.org/0000-0001-5377-4227

Maria Mariana Souza Meireles, Universidade Federal do Ceará

Universidade Federal do Ceará, Curso de Medicina, Fortaleza, Ceará, Brasil.

E-mail: m.marianameireles@alu.ufc.br

Lattes: http://lattes.cnpq.br/9381400285125057

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-6658-8826

 

Geilson Gonçalves de Lima, Universidade de Fortaleza

Universidade de Fortaleza, Departamento de Saúde Coletiva, Fortaleza, Ceará, Brasil,

E-mail: geilsonlima@unifor.br

Lattes: http://lattes.cnpq.br/3490893885579606

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-5697-8425

Referências

- SANTOS NR. SUS 30 anos: o início, a caminhada e os rumos. Ciências e Saúde Coletiva. 2018; 23(6):1729-1936.

- Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Atenção Básica 2017. Portaria Nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Brasília: 2017.

- Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Acolhimento à demanda espontânea. Cadernos de Atenção Básica n. 28, Volume I. Brasília: 2013.

- Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Acolhimento à demanda espontânea: queixas mais comuns na atenção básica. Cadernos de Atenção Básica, n. 28, Volume II. Brasília: 2013.

- Universidade Aberta do SUS (BR). Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca. Módulo Acolhimento à demanda espontânea na atenção básica. Brasília: 2015.

- NEVES RG, FLORES TR, DURO SMS, NUNES BP, TOMASI E . Tendência temporal da cobertura da Estratégia Saúde da Família no Brasil, regiões e Unidades da Federação, 2006-2016. Epidemiologia e serviços de saúde. 2018; 27(3):1-8.

- CARVALHO LSCL, COSTA FBC, BRANCO JGO. Acolhimento como ferramenta de reorganização do processo de trabalho diante de eventos agudos. Cadernos ESP. 2016; 10(2):46-56.

- Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Nota Técnica. Informações sobre as ações e programas do Departamento de Atenção Básica. Município: Fortaleza-CE. Brasília: 2020.

- ALBERTI GF, BUDÓ LMD, NEVES GL, ROSSO LF. Atributo do primeiro contato na atenção básica e práticas de cuidado: contribuições para a formação acadêmica do enfermeiro. Texto e Contexto-Enfermagem. 2016; 25(3):1-8.

- GOMIDE MFS, PINTO IC, BULGARELLI AF, SANTOS ALP, SERRANO GELLARDO MDF. A satisfação do usuário com a atenção primária à saúde: uma análise do acesso e acolhimento. Interface-Comunicação, Saúde, Educação. 2018; 22(65):387-398.

- CHÁVEZ GM, VIEGAS SMF, ROQUINI GR, SANTOS TR. Acesso, acessibilidade e demanda na estratégia saúde da família. Escola Anna Nery. 2020; 24(4):1-9.

- ROLIM LB, MONTEIRO JG, MEYER APGVF, NUTO SAS, ARAUJO MFM, FREITAS RWJF. Evaluation of primary health care attributes of Fortaleza city, Ceara state, Brazil. Revista Brasileira de Enfermagem. 2019; 72(1):19-26.

- SULZBCH CC, WEILLER TH, DALLEPHIANE LB. Acesso à atenção primária à saúde de longevos: perspectiva de profissionais da Saúde da Família de um município do Rio Grande do Sul. Cadernos Saúde Coletiva. 2020; 7(3):1-8.

- CARNUT L. Cuidado, integralidade e atenção primária à saúde: articulação essencial para refletir sobre o setor saúde no Brasil. Debate em Saúde. 2017; 41 (115): 1176-1189.

- ALMEIDA PF, MEDINA MG, FAUSTO MCR, GIOVANELLA L, BOUSQUAT A, MENDONÇA MHM. Coordenação do cuidado e atenção primária à saúde no Sistema Único de Saúde. Saúde em Debate. 2018; 42 (1):244-260.

- PASSOS FCB. Acesso e equidade aos serviços de saúde: uma revisão estruturada. Saúde em Debate. 2016; 40 (110):264-271.

- PEITER CC, LANZONI GMM, OLIVEIRA WF. Regulação em saúde e promoção da equidade: o Sistema Nacional de Regulação e o acesso à assistência em um município de grande porte. Saúde em Debate. 2016; 40 (111):63-73.

- MOREIRA DA. O sistema de triagem de Manchester na Atenção Primária à Saúde: ambiguidades e desafios relacionados ao acesso. Texto e Contexto Enfermagem. 2017; 26 (2):1-8.

- BARROS, F. P. C. Acesso e equidade nos serviços de saúde: uma revisão estruturada. em Debate, Rio de Janeiro, v. 40, n. 110, p. 264-271, jul./set. 2016.

- MACINKO, J.; MEDONÇA, C. S. Estratégia Saúde da Família, um forte modelo de Atenção Primária à Saúde que traz resultados. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 42, n. esp. 1, p. 18-37, set. 2018.

- GASPARINI, M. F. V.; FURTADO, J. P. Longitudinalidade e integralidade no Programa Mais Médicos: um estudo avaliativo. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 43, n. 120, p. 30-42, mar. 2019.

- CASTRO, et al. Brazil's unified health system: the first 30 years and prospects for the future. Health Policy, Washington, v. 394, n.27 p. 345-356, jul. 2019.