ATENÇÃO PRIMÁRIA E SAÚDE SUPLEMENTAR NO BRASIL REVISÃO INTEGRATIVA

Conteúdo do artigo principal

Lourrany Borges Costa
Thais Marcella Rios de Lima Tavares
Ana Beatriz Feijó de Andrade
Bruna Soares Praxedes
Thayná Custódio Mota
Artur Paiva dos Santos

Resumo

Sintetizar o conhecimento sobre a incorporação de iniciativas baseadas na Atenção Primária à Saúde pela Saúde Suplementar brasileira. Trata-se de uma revisão integrativa que seguiu seis fases: elaboração da pergunta norteadora, busca na literatura, coleta de dados, análise crítica dos trabalhos, discussão e síntese. Foram buscadas publicações brasileiras nas bases SciELO, Pubmed, Periódicos CAPES, EBSCOHost e Google Scholar, entre os anos 2009 e 2019. Foram analisadas 22 publicações. Os trabalhos versavam sobre conceitos e experiências de Atenção Primária por operadoras de planos de saúde. Os resultados apontam uma gestão mais efetiva com maior satisfação dos beneficiários. A resistência de médicos especialistas, falta de qualificação profissional, motivação política e viés cultural configuram empecilhos para essa reorganização assistencial. O modelo de Atenção Primária impacta tanto na qualidade dos serviços quanto na sustentabilidade econômica da Saúde Suplementar, proporcionando aos usuários o cuidado integral, com prevenção de doenças e promoção de saúde.


 

Detalhes do artigo

Como Citar
1.
Borges Costa L, Rios de Lima Tavares TM, Feijó de Andrade AB, Soares Praxedes B, Custódio Mota T, Paiva dos Santos A. ATENÇÃO PRIMÁRIA E SAÚDE SUPLEMENTAR NO BRASIL: REVISÃO INTEGRATIVA. Cadernos ESP [Internet]. 3º de março de 2022 [citado 5º de dezembro de 2022];16(1):95-106. Disponível em: //cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/584
Seção
Artigos de Revisão

Referências

1. Machado CV, Lima LD de, Baptista TW de F. Health policies in Brazil in times of contradiction: paths and pitfalls in the construction of a universal system. Cad saúde pública. 2017;33Suppl 2:e00129616. https://doi.org/10.1590/0102-311x00129616

2. Oliveira DF de, Kornis GEM. A política de qualificação da saúde suplementar no Brasil: uma revisão crítica do índice de desempenho da saúde suplementar. Physis: revista de saude coletiva. 31 de outubro de 2017;27(2):207-31. https://doi.org/10.1590/s0103-73312017000200003

3. Pereira AMM, Castro ALB de, Malagón Oviedo RA, Barbosa LG, Gerassi CD, Giovanella L. Atenção primária à saúde na América do Sul em perspectiva comparada: mudanças e tendências. Saúde debate [Internet]. 2012 [citado 2020-10-31];36(94):482–99. https://doi.org/10.1590/S0103-11042012000300019

4. Ogata AJN, organizador. Organização Pan-Americana da Saúde. Promoção da saúde e prevenção de riscos e doenças na saúde suplementar brasileira: Resultados do laboratório de inovação. Brasília, DF: OPAS; 2014. Disponível em: https://iris.paho.org/handle/10665.2/49108

5. Barbosa ML, Celino SD de M, Costa GMC. A Estratégia de Saúde da Família no setor suplementar: A adoção do modelo de atenção primária na empresa de autogestão. Interface comun saúde educ. 31 de outubro de 2015;19(55):1101-8. https://doi.org/10.1590/1807-57622014.1179

6. Mendes EV. Desafios do SUS. Brasília, DF: CONASS; 2019. Disponível em: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2020/08/1104190/desafios-do-sus.pdf

7. Brasil. Agência Nacional De Saúde Suplementar. Dados e Indicadores do Setor: Beneficiários de planos privados de saúde. Sistema de Informações de Beneficiários, Agência Nacional de Saúde Suplementar: maio, 2020. [Internet]. [citado 2020-7-25]. Disponível em: http://www.ans.gov.br

8. Reis AAC dos, Sóter APM, Furtado LAC, Pereira SS da S. Tudo a temer: financiamento, relação público e privado e o futuro do SUS. Saúde em debate. 2016;40(spe):122–35. https://doi.org/10.1590/0103-11042016s11

9. Vieira FS, Benevides RP de S e. O Direito à Saúde no Brasil em Tempos de Crise Econômica, Ajuste Fiscal e Reforma Implícita do Estado. Rev estud e pesqui sobre américas. 23 de dezembro de 2016;10(3):1-28. https://doi.org/10.21057/repam.v10i3.21860

10. Ziroldo RR, Gimenes RO, Júnior CC. A importância da saúde suplementar na demanda da prestação dos serviços assistenciais no Brasil. Mundo saúde. 2013;37(2):216-21. https://doi.org/10.15343/0104-7809.2013372216220

11. Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Laboratórios de inovação sobre experiências em atenção primária na saúde suplementar. Rio de Janeiro: OPAS, ANS; 2018. Disponível em: http://www.ans.gov.br/images/Publicação_Laboratório_de_Inovações_em_APS.pdf

12. Souza MT de, Silva MD da, Carvalho R de. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo). 2010;8(1):102–6. https://doi.org/10.1590/s1679-45082010rw1134

13. Lozer AC, Godoy CVC, Leles FAG, Coelho KSC, organizadores. Conhecimento técnico-científico para qualificação da saúde suplementar. Rio de Janeiro: OPAS, ANS; 2015. Disponível em: http://ans.gov.br/images/stories/Materiais_para_pesquisa/Materiais_por_assunto/conhecimento_tecnico_cientifico_ANS_2015.pdf

14. Avelar EA, Souza AA de, Amaral HF, Reyes ST. Endividamento de operadoras de planos de saúde da modalidade autogestão e regulação da saúde suplementar. REAd Rev Eletrônica Adm Porto Alegre. 31 de outubro de 2019;25(3):124-52. https://doi.org/10.1590/1413-2311.271.96907

15. Zielinski MM. Atenção primária na saúde suplementar: perspectivas de implantação no segmento privado [monografia]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2016. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/159119

16. Oliveira MR de, Veras RP, Cordeiro H de A. A importância da porta de entrada no sistema: o modelo integral de cuidado para o idoso. Physis: revista de saude coletiva. 2019;28(4). https://doi.org/10.1590/s0103-73312018280411

17. Machado HSV, Melo EA, De Paula LGN. Family and community medicine in the supplementary health system in Brazil: Implications for the Unified National Health System and for physicians. Cad saúde pública. 2019;35(11). http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00068419

18. Batista GL. Saúde suplementar: a atenção primária à saúde como alternativa de remodelação assistencial e as possibilidades de inserção do sanitarista neste setor [monografia]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2017. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/178220

19. Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil (Cassi). A Cassi e a Estratégia Saúde da Família (ESF) - uma história de pioneirismo e sucesso na maior autogestão do País. Boletim Informativo nº 24 - junho de 2016. Disponível em: http://bancariosabc.org.br/wp-content/uploads/2015/04/Boletim-Cassi-n%C3%BAmero-24.pdf

20. Fontes MC. A estratégia de saúde da família no SUS e na saúde suplementar: comparações e propostas [monografia]. Universidade Federal do Paraná; 2013. Disponível em: http://hdl.handle.net/1884/46748

21. Alves CV, Carvalho LC de, Cassias AL de. A atenção integral à saúde no sistema unimed. Rev Científica Fac Unimed [Internet]. 2019 [citado 2020-11-3];1(1):19–38. Disponível em: https://doi.org/10.37688/rcfu.v1i1.26

22. Silva FRV. Plano de negócios de um modelo assistencial centrado na atenção primária no setor da saúde suplementar [monografia]. Fundação Getúlio Vargas; 2018. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/24231

23. Rodrigues AT, Silva KL, Sena RR de, Sena RR de. Programas de promoção da saúde na saúde suplementar em Belo Horizonte, MG, Brasil: concepções e práticas. Interface comun saúde educ. 31 de outubro de 2015;19(54):455-66. https://doi.org/10.1590/1807-57622014.0181

24. Daros RF, Gomes R da S, Silva FH da, Lopes TC. A satisfação do beneficiário da saúde: Suplementar sob a perspectiva da qualidade e integralidade. Physis: revista de saude coletiva. 2016;26(2):525-47. https://doi.org/10.1590/S0103-73312016000200010

25. Lima-Costa MF, Turci MA, Macinko J. Estratégia Saúde da Família em comparação a outras fontes de atenção: indicadores de uso e qualidade dos serviços de saúde em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad saúde pública. 2013; 29(7):1370-1380. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2013000700011

26. Ribeiro I de AP. Projeto de intervenção para melhoria do acesso ao serviço de saúde suplementar em uma unidade de atenção primária de Belo Horizonte [monografia]. Universidade Federal de Minas Gerais; 2019. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/33467/1/IARA%20DE%20ALMEIDA%20PIRES%20RIBEIRO.cleaned.pdf

27. Oliveira MR de, Veras RP, Cordeiro H de A, Pasinato MT. A mudança de modelo assistencial de cuidado ao idoso na Saúde Suplementar: identificação de seus pontos-chave e obstáculos para implementação. Physis: revista de saude coletiva. 2016;26(4):1383-94. https://doi.org/10.1590/s0103-73312016000400016

28. Nunes BP, Soares MU, Wachs LS, Volz PM, Saes M de O, Duro SMS, et al. Hospitalização em idosos: associação com multimorbidade, atenção básica e plano de saúde. Rev saúde pública. 2017;51:1-10. https://doi.org/10.1590/S1518-8787.2017051006646

29. Reis ML, Püschel VA de A. Estratégia de Saúde da Família no Sistema de Saúde Suplementar: convergências e contradições. Vol. 43, Rev Esc Enferm USP; 2009. p. 1308-13. https://doi.org/10.1590/S0080-62342009000600028

30. Silva KL, Rodrigues AT. Promoção da saúde no âmbito da saúde suplementar: relações e tensões entre operadoras, beneficiários e agência reguladora estatal. Saúde Soc. 31 de outubro de 2015;24(suppl 1):193-204. https://doi.org/10.1590/s0104-12902015s01017

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)