ATENÇÃO PRIMÁRIA E SAÚDE SUPLEMENTAR NO BRASIL

REVISÃO INTEGRATIVA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.54620/cadesp.v16i1.584

Palavras-chave:

Saúde Suplementar, Planos de Saúde, Atenção Primária à Saúde, Revisão de Literatura

Resumo

Sintetizar o conhecimento sobre a incorporação de iniciativas baseadas na Atenção Primária à Saúde pela Saúde Suplementar brasileira. Trata-se de uma revisão integrativa que seguiu seis fases: elaboração da pergunta norteadora, busca na literatura, coleta de dados, análise crítica dos trabalhos, discussão e síntese. Foram buscadas publicações brasileiras nas bases SciELO, Pubmed, Periódicos CAPES, EBSCOHost e Google Scholar, entre os anos 2009 e 2019. Foram analisadas 22 publicações. Os trabalhos versavam sobre conceitos e experiências de Atenção Primária por operadoras de planos de saúde. Os resultados apontam uma gestão mais efetiva com maior satisfação dos beneficiários. A resistência de médicos especialistas, falta de qualificação profissional, motivação política e viés cultural configuram empecilhos para essa reorganização assistencial. O modelo de Atenção Primária impacta tanto na qualidade dos serviços quanto na sustentabilidade econômica da Saúde Suplementar, proporcionando aos usuários o cuidado integral, com prevenção de doenças e promoção de saúde.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Machado CV, Lima LD de, Baptista TW de F. Health policies in Brazil in times of contradiction: paths and pitfalls in the construction of a universal system. Cad saúde pública. 2017;33Suppl 2:e00129616. https://doi.org/10.1590/0102-311x00129616

2. Oliveira DF de, Kornis GEM. A política de qualificação da saúde suplementar no Brasil: uma revisão crítica do índice de desempenho da saúde suplementar. Physis: revista de saude coletiva. 31 de outubro de 2017;27(2):207-31. https://doi.org/10.1590/s0103-73312017000200003

3. Pereira AMM, Castro ALB de, Malagón Oviedo RA, Barbosa LG, Gerassi CD, Giovanella L. Atenção primária à saúde na América do Sul em perspectiva comparada: mudanças e tendências. Saúde debate [Internet]. 2012 [citado 2020-10-31];36(94):482–99. https://doi.org/10.1590/S0103-11042012000300019

4. Ogata AJN, organizador. Organização Pan-Americana da Saúde. Promoção da saúde e prevenção de riscos e doenças na saúde suplementar brasileira: Resultados do laboratório de inovação. Brasília, DF: OPAS; 2014. Disponível em: https://iris.paho.org/handle/10665.2/49108

5. Barbosa ML, Celino SD de M, Costa GMC. A Estratégia de Saúde da Família no setor suplementar: A adoção do modelo de atenção primária na empresa de autogestão. Interface comun saúde educ. 31 de outubro de 2015;19(55):1101-8. https://doi.org/10.1590/1807-57622014.1179

6. Mendes EV. Desafios do SUS. Brasília, DF: CONASS; 2019. Disponível em: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2020/08/1104190/desafios-do-sus.pdf

7. Brasil. Agência Nacional De Saúde Suplementar. Dados e Indicadores do Setor: Beneficiários de planos privados de saúde. Sistema de Informações de Beneficiários, Agência Nacional de Saúde Suplementar: maio, 2020. [Internet]. [citado 2020-7-25]. Disponível em: http://www.ans.gov.br

8. Reis AAC dos, Sóter APM, Furtado LAC, Pereira SS da S. Tudo a temer: financiamento, relação público e privado e o futuro do SUS. Saúde em debate. 2016;40(spe):122–35. https://doi.org/10.1590/0103-11042016s11

9. Vieira FS, Benevides RP de S e. O Direito à Saúde no Brasil em Tempos de Crise Econômica, Ajuste Fiscal e Reforma Implícita do Estado. Rev estud e pesqui sobre américas. 23 de dezembro de 2016;10(3):1-28. https://doi.org/10.21057/repam.v10i3.21860

10. Ziroldo RR, Gimenes RO, Júnior CC. A importância da saúde suplementar na demanda da prestação dos serviços assistenciais no Brasil. Mundo saúde. 2013;37(2):216-21. https://doi.org/10.15343/0104-7809.2013372216220

11. Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Laboratórios de inovação sobre experiências em atenção primária na saúde suplementar. Rio de Janeiro: OPAS, ANS; 2018. Disponível em: http://www.ans.gov.br/images/Publicação_Laboratório_de_Inovações_em_APS.pdf

12. Souza MT de, Silva MD da, Carvalho R de. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo). 2010;8(1):102–6. https://doi.org/10.1590/s1679-45082010rw1134

13. Lozer AC, Godoy CVC, Leles FAG, Coelho KSC, organizadores. Conhecimento técnico-científico para qualificação da saúde suplementar. Rio de Janeiro: OPAS, ANS; 2015. Disponível em: http://ans.gov.br/images/stories/Materiais_para_pesquisa/Materiais_por_assunto/conhecimento_tecnico_cientifico_ANS_2015.pdf

14. Avelar EA, Souza AA de, Amaral HF, Reyes ST. Endividamento de operadoras de planos de saúde da modalidade autogestão e regulação da saúde suplementar. REAd Rev Eletrônica Adm Porto Alegre. 31 de outubro de 2019;25(3):124-52. https://doi.org/10.1590/1413-2311.271.96907

15. Zielinski MM. Atenção primária na saúde suplementar: perspectivas de implantação no segmento privado [monografia]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2016. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/159119

16. Oliveira MR de, Veras RP, Cordeiro H de A. A importância da porta de entrada no sistema: o modelo integral de cuidado para o idoso. Physis: revista de saude coletiva. 2019;28(4). https://doi.org/10.1590/s0103-73312018280411

17. Machado HSV, Melo EA, De Paula LGN. Family and community medicine in the supplementary health system in Brazil: Implications for the Unified National Health System and for physicians. Cad saúde pública. 2019;35(11). http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00068419

18. Batista GL. Saúde suplementar: a atenção primária à saúde como alternativa de remodelação assistencial e as possibilidades de inserção do sanitarista neste setor [monografia]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2017. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/178220

19. Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil (Cassi). A Cassi e a Estratégia Saúde da Família (ESF) - uma história de pioneirismo e sucesso na maior autogestão do País. Boletim Informativo nº 24 - junho de 2016. Disponível em: http://bancariosabc.org.br/wp-content/uploads/2015/04/Boletim-Cassi-n%C3%BAmero-24.pdf

20. Fontes MC. A estratégia de saúde da família no SUS e na saúde suplementar: comparações e propostas [monografia]. Universidade Federal do Paraná; 2013. Disponível em: http://hdl.handle.net/1884/46748

21. Alves CV, Carvalho LC de, Cassias AL de. A atenção integral à saúde no sistema unimed. Rev Científica Fac Unimed [Internet]. 2019 [citado 2020-11-3];1(1):19–38. Disponível em: https://doi.org/10.37688/rcfu.v1i1.26

22. Silva FRV. Plano de negócios de um modelo assistencial centrado na atenção primária no setor da saúde suplementar [monografia]. Fundação Getúlio Vargas; 2018. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/24231

23. Rodrigues AT, Silva KL, Sena RR de, Sena RR de. Programas de promoção da saúde na saúde suplementar em Belo Horizonte, MG, Brasil: concepções e práticas. Interface comun saúde educ. 31 de outubro de 2015;19(54):455-66. https://doi.org/10.1590/1807-57622014.0181

24. Daros RF, Gomes R da S, Silva FH da, Lopes TC. A satisfação do beneficiário da saúde: Suplementar sob a perspectiva da qualidade e integralidade. Physis: revista de saude coletiva. 2016;26(2):525-47. https://doi.org/10.1590/S0103-73312016000200010

25. Lima-Costa MF, Turci MA, Macinko J. Estratégia Saúde da Família em comparação a outras fontes de atenção: indicadores de uso e qualidade dos serviços de saúde em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad saúde pública. 2013; 29(7):1370-1380. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2013000700011

26. Ribeiro I de AP. Projeto de intervenção para melhoria do acesso ao serviço de saúde suplementar em uma unidade de atenção primária de Belo Horizonte [monografia]. Universidade Federal de Minas Gerais; 2019. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/33467/1/IARA%20DE%20ALMEIDA%20PIRES%20RIBEIRO.cleaned.pdf

27. Oliveira MR de, Veras RP, Cordeiro H de A, Pasinato MT. A mudança de modelo assistencial de cuidado ao idoso na Saúde Suplementar: identificação de seus pontos-chave e obstáculos para implementação. Physis: revista de saude coletiva. 2016;26(4):1383-94. https://doi.org/10.1590/s0103-73312016000400016

28. Nunes BP, Soares MU, Wachs LS, Volz PM, Saes M de O, Duro SMS, et al. Hospitalização em idosos: associação com multimorbidade, atenção básica e plano de saúde. Rev saúde pública. 2017;51:1-10. https://doi.org/10.1590/S1518-8787.2017051006646

29. Reis ML, Püschel VA de A. Estratégia de Saúde da Família no Sistema de Saúde Suplementar: convergências e contradições. Vol. 43, Rev Esc Enferm USP; 2009. p. 1308-13. https://doi.org/10.1590/S0080-62342009000600028

30. Silva KL, Rodrigues AT. Promoção da saúde no âmbito da saúde suplementar: relações e tensões entre operadoras, beneficiários e agência reguladora estatal. Saúde Soc. 31 de outubro de 2015;24(suppl 1):193-204. https://doi.org/10.1590/s0104-12902015s01017

Publicado

03-03-2022

Como Citar

1.
Borges Costa L, Rios de Lima Tavares TM, Feijó de Andrade AB, Soares Praxedes B, Custódio Mota T, Paiva dos Santos A. ATENÇÃO PRIMÁRIA E SAÚDE SUPLEMENTAR NO BRASIL: REVISÃO INTEGRATIVA. Cadernos ESP [Internet]. 3º de março de 2022 [citado 20º de maio de 2024];16(1):95-106. Disponível em: https://cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/584
Received 2021-06-07
Accepted 2021-09-24
Published 2022-03-03

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)