ANÁLISE DA MORTALIDADE INFANTIL DE UMA REGIÃO DE SAÚDE DO CEARÁ

Conteúdo do artigo principal

Antônia Fernanda Sousa de Brito
Edson de Andrade Nhamuave

Resumo

O objetivo do estudo foi descrever e analisar as características sociodemográficas e as doenças dos capítulos do CID-10 que causaram os óbitos infantis, calcular a taxa de mortalidade infantil e sua tendência temporal e do capítulo em que ocorreu o maior número desses óbitos na 7ª Região de Saúde do Estado do Ceará, no período de 2009 a 2019. Foi realizado estudo descritivo, ecológico, de série temporal. Os dados revelaram a predominância do sexo masculino com 60,51% dos óbitos; 62,56% da raça/cor parda; 55,38% de baixo peso; 64% dos óbitos aconteceram em idade neonatal precoce e 60% foram óbitos por doenças pertencentes ao Capítulo XVI do CID-10. A taxa média de mortalidade infantil dos anos estudados se mostrou inferior à do Ceará, 11,70 e 13,02 por mil habitantes, respectivamente. Muitos desses óbitos poderiam ser evitados nessa região a partir da consolidação e do fortalecimento das linhas de cuidado materno-infantil.

Detalhes do artigo

Como Citar
1.
Sousa de Brito AF, de Andrade Nhamuave E. ANÁLISE DA MORTALIDADE INFANTIL DE UMA REGIÃO DE SAÚDE DO CEARÁ. Cadernos ESP [Internet]. 30º de dezembro de 2022 [citado 27º de janeiro de 2023];16(4):10-8. Disponível em: //cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/825
Seção
Artigos Originais
Biografia do Autor

Antônia Fernanda Sousa de Brito, Escola de Saúde Publica do Ceará, Fortaleza, Ceará – Brasil

Bacharel em Enfermagem pela Universidade Potiguar do Rio Grande do Norte (2017). Enfermeira no Centro de Referência em Saúde do Trabalhador(a) e Saúde Ambiental - CERESTA Zé Maria do Tomé. Possui Especialização em Gestão em Saúde pela Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira-UNILAB (2021). Especialização em modalidade de Residência em Saúde Coletiva pela Escola de Saúde Pública do Ceará, com atuação na Secretaria Municipal de Saúde de Icapuí (2019-2020), Coordenadoria de Saúde de Aracati (2020), Secretaria Municipal de Saúde de Limoeiro do Norte (2020) e no CERESTA/LNO (2020-2021). Especialização em Saúde da Família pela UNILAB (2018). Tem experiência na área da Atenção Primaria a Saúde, instrumentos de gestão (PS, PAS e RAG), saúde coletiva, educação, promoção e vigilância em saúde.

Edson de Andrade Nhamuave, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia – Brasil

Possui graduação em Ensino de Biologia pela Universidade Pedagógica de Maputo (2011). Mestrado em Saúde Coletiva (área de concentração em Epidemiologia) pelo Instituto de Saúde Coletiva - Universidade Federal da Bahia (2020). Doutorando em Saúde Coletiva (área de concentração em Epidemiologia) pelo Instituto de Saúde Coletiva - Universidade Federal da Bahia (ISC/UFBA). Desde 2012 é professor do Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano, da 8ª-12ª classes e foi assistente estagiário na Universidade Pedagógica (2016). Tem alguma experiência na área de Zoologia, com ênfase em Zoologia Sistemática. Atualmente tem atuação no estudo da Tuberculose em crianças e adolescentes menores de 15 anos e em população privada de liberdade.

Referências

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança: orientações para im-plementação. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2018.

Costa MC.N, Azi PA, Paim JS, Silva VMV. Mortalidade infantil e condições de vida: a re-produção das desigualdades sociais em saúde na década de 90. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro. 2001; 17(3):555-567.

Ministério da Saúde [Internet]. Portal da Saúde. Informações de Saúde TABNET – Estatísti-cas vitais. DATASUS. Brasília - DF; 2019. [cited 2021 Jan 10]. Available from: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0205.

Ceará. Plano Estadual de Saúde 2016 – 2019. Secretaria do Estado do Ceará. Governo do Estado do Ceará. Ceará. 2016.

Feitosa AC, Santos EFDS, Ramos JLS, Bezerra IMP, Nascimento VG, Macedo CC, Abreu LCD. Fatores associados à mortalidade infantil na região metropolitana do Cariri, Ceará, Bra-sil. Rev. bras. crescimento desenvolv. hum. 2015; 224-229.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Tábua completa de mortalidade para o Brasil, 2015. Rio de Janeiro: IBGE; 2016.

Lisboa L, Abreu DM, Lana AMQ, França EB. Mortalidade infantil: principais causas evitá-veis na região Centro de Minas Gerais, Brasil, 1999-2011. Epidemiologia e Serviços de Saú-de. 2015; 25, 711-720.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia. Secretaria de Ciência, Tecno-logia e Insumos Estratégicos. Departamento de Ciência e Tecnologia. Síntese de evidências para políticas de saúde: mortalidade perinatal. 2. ed. - Brasília (DF). 2016.

Silva RMD, Araújo KNCD., Bastos LAC, Moura ERF. Planejamento familiar: significado para mulheres em idade reprodutiva.Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, 2415-2424.

Sartorelli AP, Cubas MR; Carvalho DR. Variáveis associadas à mortalidade infantil: uma revisão integrativa. Revista Stricto Sensu, 2020; v. 5 (1).2020.

Silva PAS. Perfil epidemiológico da mortalidade infantil em Venâncio Aires entre 2004 e 2014. 2017.

Galvão KB, Araújo MSJL, Vasconcelos ESPRB, Diniz MSGMD, Nascimento EGC. Assis-tência a saúde do recém-nascido com baixo peso. Revista da Universidade Vale do Rio Ver-de, Três Corações, 2015; 13(2): 251-264.

Sanders LSDC, Pinto FJM, Medeiros CRBD, Sampaio RMM, Viana RAA, Lima KJ. Morta-lidade infantil: análise de fatores associados em uma capital do Nordeste brasileiro. Cadernos Saúde Coletiva, 2017; 25(1): 83-89.

Ministério da Saúde. [internet] Ministério lança protocolo com diretrizes para o parto cesaria-na. Brasilia – DF; 2016. [cited 2021 Mai 10]. Available from: https://www.unasus.gov.br/noticia/ministerio-lanca-protocolo-com-diretrizes-para-parto-cesariana

Brasil. [internet] Programa de Serviço de Atenção Domiciliar – SAD. Governo do Brasil. Brasília – DF; 2019. [cited 2021 Mai 11]. Available from: https://www.gov.br/pt-br/servicos-estaduais/programa-de-servico-de-atencao-domiciliar-2013-sad.

Prefeitura de Aracati [Internet]. Aracati conquista a menor taxa de mortalidade infantil do Ceará. 2020. [cited 2021 Jan 12]. Available from: https://aracati.ce.gov.br/informa.php?id=248.

Lima ASR, coelho MMF, Silva CF, Menezes LCG. Mortalidade infantil do Nordeste brasilei-ro: 2000 a 2014. Extensão em Ação, Fortaleza, 2019; v.2, (18).

Ministério da Saúde. [internet]. PORTARIA Nº 1.459, DE 24 DE JUNHO DE 2011. Insti-tui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha. 2011. [cited 2021 Mai 12]. Available from:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html.

Damasceno SS, Nóbrega VMD, Coutinho SED, Reichert APDS, Toso BRGDO, Collet, N. Saúde da criança no Brasil: orientação da rede básica à Atenção Primária à Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 2016; v. 21, 2961-2973.

Silva ESDAD, Paes NA. Programa Bolsa Família e a redução da mortalidade infantil nos municípios do semiárido brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva, 2019; v. 24, 623-630.